ad16
PolíciaTodas as Notícias

Advogado e jornalista são presos acusados de fraudar concurso no Ceará

De acordo com o Ministério Público do Estado do Ceará, foram encontradas várias anotações relativas ao concurso contendo notas de candidatos com resultados completamente diferentes dos publicados.

Na manhã desta quinta-feira (08) foi deflagrada a “Operação Amigos do Rei”, em Teresina e no município cearense de Baixio, com o objetivo de combater fraude no resultado do Concurso Público realizado no Município de Baixio, em 2019.

Na capital, estão sendo cumpridos três mandados de prisão preventiva pela Polícia Civil do Ceará, Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) do Ministério Público do Estado do Piauí (MPPI) e Polícia Civil do Piauí.   As informações são do MPCE.

Operação estava em andamento na manhã desta quinta-feira (8). — Foto: Divulgação/Polícia Civil
Operação estava em andamento na manhã desta quinta-feira (8). — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Os alvos da operação são Dirceu Iglesias Cabral Filho, Tiago Lima Iglesias Cabral e Diego Lima Iglesias Cabral, todos ligados à CONSEP – Consultoria e Estudos Pedagógicos, empresa responsável pela realização do concurso público com  graves indícios de fraude. Também estão sendo cumpridos mandados contra o atual presidente da Câmara Municipal e um ex-vereador de Baixio.

De acordo com o Ministério Público do Estado do Ceará, no decorrer da investigação, na sede da empresa CONSEP, foram encontradas várias anotações relativas ao concurso contendo notas de candidatos com resultados completamente diferentes dos publicados e apenas uma folha de resposta de um candidato, que revelou uma pontuação distinta da divulgada no resultado final. 

Entenda a investigação 

Ministério Público apresentou denúncia com base no inquérito civil e na investigação produzida pela Polícia Civil, apontando fortes indícios de fraude no resultado do concurso público, com comprovada participação dos denunciados. O esquema criminoso teve origem antes mesmo do lançamento do Edital 01/2019. 

A quebra do sigilo de dados previamente autorizada judicialmente no aparelho celular de Dirceu Iglesias, sócio administrador da empresa CONSEP, revelou que ainda em novembro de 2018, Francisco Bernardo entrou em contato com o empresário, comparecendo à sede da CONSEP, em Teresina, no dia 18 de dezembro de 2018, evidenciando direcionamento da contratação da empresa que realizaria o certame, o que de fato ocorreu. 

Denúncias apresentadas:

  • Raimundo Amaurílio Araújo Oliveira: falsidade ideológica qualificada em continuidade delitiva, fraudes em certames de interesse público qualificado, peculato, prevaricação, advocacia administrativa e usurpação de função pública qualificada.
  • Francisco Bernardo dos Santos: frustração do caráter competitivo de licitação, falsidade ideológica qualificada em continuidade delitiva, supressão de documento público, fraudes em certames de interesse público qualificado e usurpação de função pública qualificada.
  • Dirceu Iglesias Cabral Filho, Tiago Lima Iglesias Cabral e Diego Lima Iglesias Cabral: associação criminosa, falsidade ideológica qualificada em continuidade delitiva, supressão de documento público e fraudes em certames de interesse público qualificado. Dirceu Iglesias ainda responderá por frustração do caráter competitivo de licitação.

G1 PI – MPCE

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade