ad16
Geral

Agentes penitenciários de Picos paralisam atividades

Manifestação dos servidores filiados ao Sinpoljuspi - Foto: Reprodução

Os agentes penitenciários de todo o Estado do Piauí paralisaram suas atividades no início desta quarta-feira. O motivo é a insatisfação com o descumprimento de pautas acordadas com o governo em conversações anteriores e alterações propostas no Estatuto dos Servidores Penitenciários.

As reivindicações incluem a superlotação dos presídios, precariedade das condições de trabalho, carência de agentes penitenciários, viaturas quebradas, falta de armamentos, munições, extintores de incêndios, rádios HTs, algemas e retorno de obras paradas.

A paralisação é de advertência e durará apenas até esta quinta-feira, mas uma greve geral da categoria pode sem deflagrada a partir do dia 27 de março, segundo um dos dirigentes do Sinpoljuspi que pediu para não ser identificado.

A Penitenciária José de Deus Barros, em Picos, conta com apenas 25 agentes. “A defasagem é tão grande que chega a ficarem apenas três agentes por turno para cobrir uma população de mais de 300 presos”, conta o dirigente.

Durante o período os profissionais da categoria estão cobrindo apenas serviços essenciais, como banho de sol, alimentação, atendimentos médicos de urgência e dando cumprimento a alvarás de soltura. A condução de detentos a audiências, atendimentos de advogados, visitas de familiares e visitas íntimas foram suspensos.

Como na Penitenciária José de Deus Barros as visitas são realizadas apenas nas sextas, sábados e domingos, essa última medida não afeta os presidiários da região de Picos.

O presídio de Picos também não conta com detector de metais, armamentos e monitoramento eletrônico – realizado a partir de câmeras de segurança. Uma vistoria de rotina realizada na última segunda feira encontrou drogas e armas nas celas dos detentos. Segundos os agentes, o acesso a esses materiais ocorre em razão da falta de estrutura para realização de uma fiscalização mais rígida.


Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade