ad16
SaúdeTodas as Notícias

Anvisa suspende prazo de análise da Coronavac para vacinar público de 3 a 17 anos

Em nota, a agência disse que pediu "esclarecimentos adicionais" sobre estudo conduzido pelo governo chileno sobre a vacinação dos mais jovens com este imunizante.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) voltou a suspender nesta terça-feira (11) o prazo de análise do pedido do Instituto Butantan de vacinação do público de 3 a 17 anos com a Coronavac.

Em nota, a agência disse que pediu “esclarecimentos adicionais” sobre estudo conduzido pelo governo chileno sobre a vacinação dos mais jovens com este imunizante, além de ajustes no plano de gerenciamento de risco da aplicação das doses.

A Anvisa e o Butantan marcaram reunião para a manhã de quinta-feira (13) para discutir os dados exigidos, além de “eventuais compromissos, em caso de autorização de uso da vacina”, disse a agência.

O órgão regulador ainda cobra dados de estudo global conduzido na China, África do Sul, Chile, Malásia e Filipinas sobre o uso da vacina. Em novembro, o laboratório chinês Sinovac anunciou que dados preliminares deste ensaio de fase 3 apontam segurança na vacinação do grupo de 3 a 17 anos.

CoronaVac -Foto: Ascom/governo de São Paulo

O Butantan encaminhou no dia 15 de dezembro à Anvisa a documentação sobre o pedido de vacinação de crianças e adolescentes. No dia 22, a agência fez a primeira exigência técnica, travando o prazo de 30 dias de análise.

Procurada, a Anvisa informou que já foram usados 16 dos 30 dias de prazo de análise sobre a aplicação da Coronavac em crianças e adolescentes. Ou seja, a agência ainda terá 14 dias para avaliar o pleito do Butantan quando a contagem for retomada.

Em agosto, a diretoria da Anvisa negou pedido de uso da Coronavac no grupo de 3 a 17 anos sob argumento de falta de dados.

Integrantes da agência afirmam que o processo, agora, está mais sólido, mas ainda aguardam dados principalmente do Chile e do estudo global. O país andino já imunizou 1,4 milhão de pessoas entre 3 e 17 anos.

As mesmas autoridades da agência dizem que há diversas opções em análise, como conceder uma autorização de uso por considerar que dados já existentes mostram a segurança da vacina, mas exigir a apresentação de estudos consolidados mais tarde.

Apenas a vacina da Pfizer contra a Covid pode ser aplicada em menores de idade, a partir de 5 anos.

O Ministério da Saúde avalia usar a Coronavac em crianças, caso haja aprovação da Anvisa. Como a vacina é do mesmo modelo aplicado em adulto s, estados já se planejam para destinar doses estocadas ao público mais jovem.

A vantagem da Coronavac é a disponibilidade de doses, devido ao fato de que o imunizante parou de ser usado pelo governo federal.

Fonte: Folhapress

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.