ad16
CulturaDestaquesTodas as Notícias

Apresentação de Cláudia Leite em Picos faz parte de processo no Ministério da Cultura

A cantora Cláudia Leitte entrou com um recurso contra a decisão do Ministério da Cultura de obrigá-la a devolver R$ 1,274 milhão aos cofres públicos. A informação foi confirmada pelo assessor de imprensa da cantora.

Segundo a pasta, ela cometeu irregularidades no uso da Lei Rouanet durante uma turnê de 12 shows feitos em 2013.

Ela não teria comprovado a distribuição gratuita de 8,75% do total dos ingressos; cobrou entradas em Picos (PI), em show realizado no dia 23 de novembro de 2013, no Galpão Eventos com valores mais caros do que o pactuado; e não encaminhou as contas relacionadas a um show feito em Cuiabá (MT).

Cláudia Leite em Picos
Cláudia Leite em Picos

O ministério informa que ainda não recebeu o recurso. O prazo se esgotou no último dia 31, mas será possível aceitá-lo caso já tenha sido postado nos correios.

A reportagem da Folha tentou entrar em contato com os advogados de Claudia Leitte para saber o teor do recurso, mas não teve resposta até o encerramento desta edição.

A DEFESA

Os advogados da cantora Claudia Leitte afirmaram, na defesa apresentada ao Ministério da Cultura por causa da reprovação das contas dela na Lei Rouanet, que a turnê “acarretou na democratização do acesso à cultura”. A pasta usou a falta de comprovação da doação de ingressos como argumento para mandar a artista devolver R$ 1,2 milhão.

O recurso diz que houve a distribuição e que a maioria das entradas foi vendida a preço até inferior ao do projeto, de R$ 35. Segundo o documento, as apresentações questionadas —em Picos (PI), Ponta Porã (MS) e Cuiabá (MT)— foram em “localidades que, sem o incentivo, jamais teriam condições econômicas para receber um show do porte da Claudia Leitte”.

A defesa pede que o parecer pela reprovação das contas seja convertido em “aprovação com ressalvas”. Para os advogados, proibir Claudia de captar pela Rouanet por três anos é injusto, já que “não houve dano ao erário”. Os argumentos estão sendo analisados pelo ministério, que tem 60 dias para decidir.

Com informações da Folha

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade