ad16
EducaçãoGeralTodas as Notícias

“Como é que se manda um filho para a escola pública e ele volta sem a perna?”, indaga vereador

Vai começar a parecer muito, muito estranho mesmo, se as autoridades responsáveis começarem a assistir crianças sendo amputadas devido ao transporte escolar de má qualidade e tudo ficar por isso mesmo.

O vereador de Dirceu Arcoverde Rodolfo França Galvão Segundo, o Rodolfinho, classificou de “absurda” a situação que vitimou uma criança de 9 anos, R. O. S., no município, após, segundo o político, ela cair de uma ônibus escolar que não tinha uma das janelas. “Ao invés do vidro existia um papelão”, repassou. 

“Como é que se manda um filho para a escola pública e ele volta sem perna?”, indagou.

NO PIAUÍ É ASSIM?

Vai começar a parecer muito, muito estranho mesmo, se as autoridades responsáveis começarem a assistir crianças sendo amputadas devido ao transporte escolar de má qualidade e tudo ficar por isso mesmo.

O QUE ACONTECEU?

Uma criança de apenas 9 anos de idade, R. O. S., teve a perna amputada após cair de um ônibus escolar em movimento que estaria em péssimas condições de segurança e integrava a frota que presta serviços de transporte escolar para o município de Dirceu Arcoverde. A “tragédia anunciada, esperada”, como vem sendo rotulada, ocorreu na última quinta-feira (23). A informação foi repassada ao Blog Bastidores, do 180graus.com, pelo vereador Rodolfo França, o Rodolfinho, nesta segunda-feira (27), confirmada pela mãe da criança e pela prefeitura.

Segundo o vereador, uma das janelas do ônibus – fotografia abaixo, estava sem vidro, contendo apenas papelão. Em meio a uma curva ao menos duas crianças foram projetadas para o lado de fora do ônibus. Uma foi atropelada pelo próprio veículo e perdeu a perna. 

“Os meninos vinham no ônibus e o motorista foi fazer uma curva e os meninos caíram. Quando foram se escorar na janela, a janela estava só o papelão. E eles saíram do ônibus. E um dos meninos caiu debaixo do pneu. Um dos pneus  passou por cima da perna e ela acabou sendo amputada”, contou o vereador, que diz ter ouvido pessoas na região.

“Não tinha janela. Um ônibus que carrega crianças de 4 a 9 anos. Era um acidente previsto”, denunciou a mãe da criança, a dona de casa Roneide Oliveira Sousa, que está abalada com a situação. 

Segundo ela, os pais de alunos cobravam da prefeitura não só ônibus de qualidade, mas também um responsável nos veículos para cuidar das crianças e ajudar a impedir esse tipo de “tragédia”. “Já tinha tido muitas reuniões lá, a gente já tinha pedido para trocar esses ônibus”, acresceu. 

Roneide Oliveira Sousa contou que seu filho foi atendido em São Raimundo Nonato após ser socorrido pelo SAMU e levado para o município vizinho. Disse que não acionou o Ministério Público nem constituiu advogado ainda. E que tem uma lista de remédios que seu filho tem que tomar. “As medicações tudo eram por conta de lá [do hospital em São Raimundo Nonato]. Mas o médico passou receitas, precisa tomar esses remédios no horário certo. 

A dona de casa Roneide Sousa possui outros dois filhos, um de 4 anos e outro de 1 ano de idade. Contou que não possui companheiro no momento e demonstrou que não sabe muito bem a quem recorrer a princípio para tentar buscar seus direitos.

Ele relatou ainda que já encontrou seu filho em São Raimundo Nonato, que não teve o auxílio da prefeitura para levá-la até o município onde a criança estava hospitalizada. 

A mãe de família tem consciência, no entanto, de que seu filho estava sob a guarda do município.

O QUE DIZ A PREFEITURA

A secretária de Educação do município Luciana Barbosa, vereadora licenciada do PP, contou uma outra versão. Segundo essa versão oficial, “um coleguinha que derrubou ele [a outra criança] pela janela”. 

“A própria criança relatou que pegou na perninha dele e empurrou”, declarou. 

Disse que está “prestando todo o auxílio, todos os cuidados necessários”, que segundo ela é o mais importante. E que a criança já recebeu alta.

Confessou, porém, que nesse dia só tinha o motorista e não havia uma segunda pessoa no ônibus para cuidar do grupo, composto por crianças que variam de 4 anos a mais de 9, incluindo um maior de idade. 

Ônibus sem janela em Dirceu Arcoverde, de onde criança caiu (Foto: Divulgação) 

Sobre as reivindicações para que existissem ônibus melhores argumentou que “elas foram feitas”, no caso, atendidas. 

Sobre a ausência de monitores, garantiu que a partir de agora “todos os ônibus vão ter monitor”.

Falou que não sabe bem quantos ônibus existem no município, “porque tem os ônibus e vans, mas são aproximadamente uns sete”, e esses sete terão monitores a partir de então.

O vereador Rodolfinho sustentou que a versão é fantasiosa, que a janela era coberta por papelão e defende uma ampla investigação. “Eu conversei com várias pessoas”, disse. “O povo lá está revoltado, lá”, pontuou.

Fonte: 180graus

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.