ad16
DestaquesMunicípiosSanto Antônio de Lisboa

Corpos de vítimas do acidente em Pernambuco ainda continuam em Recife

Cross Fox completamente destruído

É estável o estado de saúde das duas pessoas que ficaram gravemente feridas em um acidente envolvendo dois carros na BR-232, em Pesqueira, no Agreste de Pernambuco, no domingo (2). Elas permanecem no Hospital Otávio de Freitas, no bairro de Tejipió, na Zona Oeste do Recife, sem previsão de alta.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, o homem de 45 anos passou por cirurgia em uma das mãos pela manhã e está internado no pós-operatório. A mulher de 42 anos realizou exames de tomografia e ultrassonografia durante a tarde. Ambos estão conscientes e seguem em observação na unidade. No acidente, cinco pessoas morreram, três eram da mesma família.

Os corpos do casal Edilberto Rodrigues de Souza e Maria Edná França Rodrigues; da filha deles, Erika Maria França Rodrigues; e do namorado da jovem, Leandro Carvalho, continuam no Instituto de Medicina Legal (IML), no Recife. Segundo o Instituto, os corpos estão carbonizados e desfigurados. É necessário que algum parente vá ao local para realizar procedimentos legais cabíveis de identificação. Assim, ainda não há previsão para a liberação dos cadáveres.

SAIBA MAIS:

O corpo da quinta vítima, uma mulher de 62 anos, foi encaminhado ao IML de Caruaru, no Agreste. Após perícia, foi liberado na tarde desta segunda-feira (9). Outros quatro feridos tiveram escoriações leves, foram atendidos no Hospital Doutor Lídio Paraíba, em Pesqueira, e tiveram alta médica no domingo.

O delegado Paulo Fernando Oliveira, responsável pelas investigações iniciais, informou que o acidente aconteceu depois que o motorista de um modelo Cross Fox tentava fazer uma ultrapassagem. “Pelas ouvidas iniciais e pelo local do fato, fica comprovado que quem causou o acidente foi o Cross Fox. Ele que tentou fazer uma ultrapassagem forçada e os carros bateram no acostamento. Caso seja confirmada a culpabilidade do motorista, o inquérito será encaminhado à Justiça, como diligências policias, em razão da morte do agente causador”, explicou.

do Pe360 Pernambuco

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade