ad16
PolíticaTodas as Notícias

Disputa pela Presidência já tem 14 candidatos. Veja lista

Em um cenário de ampla indefinição, as eleições deste ano devem ter uma enxurrada de candidatos à Presidência da República. Até o momento, já são 14 alternativas que se colocam publicamente. Algumas delas são certas, como Álvaro Dias (Podemos) e Jair Bolsonaro (PSL). Outras são um desejo do partido, como Lula (PT). Mas o ex-presidente foi condenado em segunda instância e deve dar lugar a Fernando Haddad, o ex-prefeito de São Paulo que é citado como o “Plano B” petista.

Há ainda os que tentam “vingar” como candidatos. É o caso de Henrique Meireles (PSD) e Paulo Rabello Castro (PSC), ambos sonhando deslanchar em cima de uma pregação liberal que tem sintonia com o mercado (grandes empresários). E ainda podem vir nomes que sequer estão na lista, caso de Luciano Huck, que pode ser lançado pelo PPS, em lugar de Cistovam Buarque. E há novidades, como Manuela D’Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos, cortejado pelo PSOL.

Manuela D’Ávila, a opção do PCdoB para disputar a Presidência da República nas eleições deste ano- Foto: Reprodução

Abaixo, a lista dos nomes mais badalados, em uma sequência que observa uma graduação ideológica, da esquerda para a direita.

Quem é quem no jogo eleitoral

Manuela D’Ávila – PCdoB
Aliado histórico do PT, o PCdoB surpreendeu a lançar candidato próprio – talvez antecipando o cenário sem Lula.

Guilherme Boulos – PSOL
Líder do MTST, é o nome mais cotado para defender as teses de uma esquerda ética, abraçada pelo partido.

Marina Silva – REDE
Tem o recaall de duas campanhas e aura de séria. Mas tem imagem de pouco maleável e um partido sem estrutura.

Cristovam Buarque – PPS
O partido queria (e quer) Luciano Huck. Mas pode ter que se contentar com o respeitado mas nada empolgante Cristovam.

Lula/Fernando Haddad – PT
O PT quer Lula. Mas já tem Plano B: Fernando Haddad, que vai tentar mostrar que é o PT de sempre, mas com um pé na renovação.

Álvaro Dias – PODEMOS
Crítico ferrenho das gestões PT e Temer, tenta surfar no sentimento anti-política. Agrega a experiência de ex-governador.

Ciro Gomes – PDT
De língua afiada e discurso consistente, paga caro pela capacidade de ataque, muitas vezes não poupa nem aliados.

Geraldo Alckmin – PSDB
Com discurso de centro, tenta se firma como o nome experiente e confiável em uma cenário que pede mudanças.

Rodrigo maia – DEM
Diz que não é candidato, mas faz tudo para ser. Quer ser a opção que o chamado “mercado” Ainda não tem.

João Almoêdo – NOVO
Ex-banqueiro, abraça a ideia da renovação política a partir da cidadania. Faz palestras para ficar conhecido.

Paulo Rabello Castro – PSC
Presidente do BNDES, deseja ser alternativa para um eleitorado liberal carente de nomes que empolguem.

Henrique Meirelles – PSD
O ministro tem feito pregações em templos evangélicos. Mas não empolgar nem o mercado financeiro.

Fernando Collor – PTB
Eleito em 1989, renunciou após processo de impeachment por corrupção. Mas que este tema está no passado.

Jair Bolsonaro – PSL
No estilo “prendo e arrebento” e pregação por mudança, se posiciona como a direita assumida e nem tão civilizada.

Fonte: Cidade Verde

Tags
LER MATÉRIA COMPLETA

Leia Também