ad16
DestaquesEducaçãoTodas as Notícias

Escolas prorrogam quarentena e Conselho de Educação recomenda aulas à distância

O Conselho Estadual de Educação se reuniu, em ambiente virtual, na tarde desta quinta-feira(26) para deliberar sobre como ficará o ensino público e privado das escolas, que ainda estão sem aulas presenciais, cumprindo o isolamento social, por causa da pandemia do novo coronavírus. O recesso e as férias antecipadas terminam na próxima semana. Algumas escolas particulares de Teresina já iniciaram as aulas online.  As informações são do Cidade Verde.

De acordo com o presidente do Conselho, professor Francisco Soares, a entidade regulamentou sobre como devem ser as aulas, utilizando recursos tecnológicos desde o ensino infantil até o ensino superior, já que a Universidade Estadual do Piauí é regida pelo conselho. 

Foto: Jeane Melo/ Cidade Verde

O documento aprovado determina que o material pedagógico específico para cada etapa e modalidade de ensino deve ser preparado com facilidades de execução e compartilhamento como: vídeo aulas, conteúdos organizados em plataformas virtuais de ensino e aprendizagem, redes sociais e correio eletrônico. 

As escolas deverão registrar a frequência dos estudantes, por meio de relatórios e acompanhamento da evolução nas atividades propostas realizadas e organizar avaliações dos conteúdos ministrados neste período, para serem aplicadas na ocasião do retorno às aulas presenciais.

“O plano de ação pedagógica, tanto das escolas da Rede Pública Estadual e das Redes Municipais, não autônomas, quanto das escolas da Rede Privada deve ser remetida ao Conselho Estadual de Educação, por meio eletrônico, para ciência, em até 30 dias”, destaca o presidente do Conselho. 

Já nos locais de difícil acesso, onde houver impossibilidade de acompanhamento aos estudantes, as reposições das aulas devem acontecer quando retornarem às escolas. 

“Com o retorno às atividades regulares, após o período de aulas não presenciais, os calendários escolares deverão ser alterados oportunamente, após análise da realidade de cada escola, incluindo os dias letivos que serão caracterizados como regime emergencial”, explicou o professor Soares.

Já na Educação Infantil, para a pré-escola, as instituições poderão, propor atividades lúdicas a serem realizadas sob orientação dos responsáveis pelos estudantes, porém a reposição das  aulas deverá ser somente de forma presencial, de modo que cada estudante esteja apto a cumprir o mínimo de 60% de presença dos 200 dias letivos.

Foto: Jeane Melo/ Cidade Verde

Escolas particulares começam a aulas virtuais

Algumas instituições como Madre Savina e o Objetivo já iniciaram as aulas virtuais. E algumas informaram que devem iniciar na próxima semana. 

“As incertezas são muitas e nos geram insegurança e angústia”, informou o Colégio CEV, em um comunicado enviado aos pais de alunos informando sobre a manutenção da quarentena. As medidas são para turmas do infantil ao pré-vestibular e começam a valer a partir da próxima quarta-feira (1°).

“Os pais serão comunicados sobre o conteúdo ministrado em cada dia” e será dada uma “agenda diária de atividades a serem executadas pelos alunos”, explica o CEV no comunicado. 

Para algumas turmas, as aulas serão transmitidas ao vivo no horário normal. “Os alunos podem interagir com os professores e fazer perguntas”, explicou. No contra turno, haverá monitoria online e as avaliações serão realizadas a partir de casa. “A rotina de estudos continuará acontecendo de forma eficiente e eficaz com esse novo formato mediado pela tecnologia”, informa o comunicado

O Colégio Madre Savina também adotou as aulas online no início desta semana. A secretaria da escola informou ao Cidadeverde.com que o colégio aguarda as recomendações das autoridades municipais para o retorno presencial das atividades.

Katiúscia Brandão é mãe de um aluno do 2° ano do Ensino Médio e vê na rotina digital com a escola um espaço para quebrar a rotina.

“Eu acho que é muito cedo para voltar a ir a escola. Eu não sei como vai ser à distância, como vai ser o diálogo com os professores. A escola falou que vai comunicar melhor como vai ser. Mas acho válida a iniciativa. A rotina dele (filho) estava ficando muito desorganizada, está acordando tarde. Isso vai deixar ele pelo menos com uma obrigação a fazer”, contou.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui