ad16
DestaquesGeralSaúdeTodas as Notícias

Família de Bocaina pede ajuda para tratamento de menina dos “ossos de vidro”

[ad#336×280]Há um ano, a pequena Emilly Vitória Vieira da Silva teve diagnosticada a doença dos ‘ossos de vidro’ e com apenas dois anos de vida, já possui um desafio a enfrentar. Filha de Cleonice Vieira da Silva e Judivan Afonso de Sousa Brito, moradores do município de Bocaina, Sul do Piauí, a garotinha precisa fazer um tratamento a base de remédios diários e, a cada três meses, uma medicação injetável que custa R$ 1 mil. Sem condições para comprar o remédio, a família pede ajuda para angariar fundos já que os SUS negou a liberação do medicamento.

O diagnóstico da doença aconteceu em outubro de 2013, quando ao abaixar-se, Emilly teve a coxa quebrada. A mãe desconhecia e não suspeitava que a criança poderia ter a doença e procurou a assistência médica no próprio município onde vive, há 324 km da capital.

Tratamento de Emily Vitória custa mais de mil reais mensais Foto: Reprodução – G1
Tratamento de Emily Vitória custa mais de mil reais mensais Foto: Reprodução – G1

“Quando veio o diagnóstico, o médico nos acompanhou no tratamento e encaminhou os exames. O SUS cobriu tudo, mas negou as medicações dizendo que era por causa do CID (Código Internacional de Doença)”, disse Cleonice. “Somos muito humildes e não temos condições de comprar os remédios dela”, completa o pai da criança.

Emilly possui várias limitações e segundo a mãe precisa estar sempre nos braços ou deitada em descanso.

“Deixei de fazer trabalhos como diarista, e meu marido ajuda em serviços de pedreiro e em outros trabalhos que é chamado. Emilly precisa tomar um remédio e ele é muito caro, por isso estamos nessa campanha para arrecadar o dinheiro para o tratamento dela. Ela demorou a caminhar, e só foi dar os primeiros passos com um ano e cinco meses de vida e ela tem pouca força nas pernas. Eu não tinha o menor conhecimento sobre o problema”, disse a mãe.

Para tentar a liberação da medicação, a mãe de Emilly, há cerca de 20 dias entrou com um processo na Defensoria Pública na tentativa de conseguir a medicação via ordem judicial, e segundo ela, deve receber um retorno em breve. “Se o governo liberar os remédios, o gasto vai ficar bem menor”, torce.

O tratamento é por tempo indeterminado e só vai depender da reação do organismo da criança. “Eles são muito humildes e precisam de ajuda. É de cortar o coração de qualquer um ver Emilly assim. Por isso o que for possível fazer para ajudar essa menina linda, que só quer ter o direito de brincar, como toda criança, será de grande valia”, falou o amigo e vizinho Tarcivan Moura.

A primeira dose do medicamento já está prevista ainda para o mês de dezembro e foi comprada a partir das doações que a família recebeu depois que lançou a campanha nas rádios da cidade e na divulgação boca a boca. A cada três meses eles precisam se deslocar até o Hospital Lucídio em Teresina, para Emilly receber a medicação.

Os interessados em ajudar no tratamento da garotinha, podem depositar qualquer quantia na conta do Banco do Brasil: Agência 0937-7, Conta Conrente 0002429-5, (Cleonice Vieira da Silva).

Fonte: G1 Piauí

Etiquetas

Um Comentário

  1. Write more, thats all I have to say. Literally, it seems as though you relied on the video to make your point. You obviously know what youre talking about, why throw away your intelligence on just posting videos to your site when you could be giving us something informative to read?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Publicidade