ad16
AutoPECASonline24.pt
DestaquesGeralTodas as Notícias

Famílias atingidas pela mineração em Curral Novo clamam por justiça

[ad#336×280]Esperança, luta, coragem e união foram os sentimentos expressados pelas famílias que sofrem ameaça de desapropriação das suas terras por causa da exploração de minérios na região de Curral Novo, em reunião que aconteceu na última quinta-feira (22), na comunidade Baixio dos Belos, localizada a 32 quilômetros do município de Curral Novo (PI).

Mais de 50 agricultores/as de dez comunidades que serão atingidas pela exploração de uma mineradora participaram do encontro com o intuito de buscar forças e soluções para amenizar a situação. A reunião foi idealizada pela Cáritas Diocesana de Picos em parceria com a Comissão Pastoral da Terra (CPT), juntamente com o bispo diocesano de Picos, dom Plínio José.

Famílias que sofrem desapropriação terras em Baixio dos Belos, em Currais Novos-Foto: Ascom
Famílias que sofrem desapropriação terras em Baixio dos Belos, em Currais Novos-Foto: Ascom

As pessoas que participaram da reunião partilharam as impressões causadas pela última audiência, que aconteceu no dia 14 de abril, naquele município. O sentimento coletivo era de insatisfação com a audiência, de onde esperavam tirar solução respostas concretas para amenizar os seus sofrimentos.

“Aquela audiência não foi suficiente. Nós saímos de lá pior do que entramos. Não tivemos respostas de nada, sequer das perguntas que foram feitas. Foi uma reunião que não trouxe solução de nada. Não sabemos, até hoje, o que fazer das nossas vidas”, relata dona Maria Luzinete Coelho, da comunidade Juá.

Assim como os demais moradores, ela está sendo pressionada a vender suas terras pelo preço proposto pela empresa do Grupo Bemissa, o equivalente a mil e quinhentos reais por hectare. No entanto, dona Luzinete se mantém firme e segura de que não quer vender suas terras.

Reunião com a comunidade-Foto: Jucilene Silva
Reunião com a comunidade-Foto: Jucilene Silva

“Eu poderia até vender ou arrendar as minhas terras, mas minha preocupação maior é com meus vizinhos. Eu sei as consequências que eles podem sofrer. Nós queremos gritar por justiça, porque isso tudo só está acontecendo por causa dos nossos governantes, que não têm compromisso com o povo. É muito humilhante viver nessa situação”, conta dona Luzinete.

Para Fabiana Araújo, uma das dificuldades encontradas até agora são as pressões feitas a partir de visitas constantes dos funcionários da empresa para a venda das terras. “A maneira como eles estão conduzindo essas negociações tem deixado a desejar. Eles não estão valorizando o que levamos anos para construir, como nossas casas, criatórios, cercas, pastos, poços e barreiros. Já foi feito apelo por uma audiência pública. Porém, até agora, não encontramos nenhuma resposta para esse nosso sofrimento, essa angústia. Alguém tem que nos ouvir”.

O desespero de Fabiana não é apenas por ela, mas por todas as famílias que estão envolvidas nesta conjuntura. “Eu não falo apenas em meu nome, mas em nome de mais de 100 famílias que vivem nessa situação de preocupação e desespero, de não saber o que vai ser do amanhã. Eu vou vender minha terra, mas como é que eu vou recomeçar? Tenho preocupação com as pessoas idosas, que têm mais dificuldade de readaptação. Minha mãe, por exemplo, tem mais de 60 anos e eu vejo essa preocupação no rosto dela, essas incertezas do amanhã”.

Durante a reunião, vários encaminhamentos foram feitos, dentre eles estão a formação de uma comissão organizadora, a construção de um relatório que conte a história das comunidades afetadas, a busca de apoio jurídico e planejamento para articulação dos moradores.

Pe. Miguel Feitosa, da paróquia de Simões, esteve presente na reunião, manifestando o seu comprometimento e apoio às famílias. Ele avaliou a reunião de forma positiva, sobretudo nos termos dos encaminhamentos. “A reunião foi muito útil. Depois da audiência em Curral Novo, não houve oportunidade de reunir as pessoas que participaram. Pela primeira vez tivemos a oportunidade de conversar sobre a audiência. Outro ponto importante é a possibilidade de um estudo juntos com os advogados para conhecer melhor as leis, aquilo que compete a nós, de maneira a nos dar forças para lutar por nossos direitos”.

O bispo diocesano, Dom Plínio, participou ativamente da reunião e afirmou que o posicionamento da Igreja é de estar ao lado do povo. “A Diocese já deu o primeiro passo, quando foi cobrada a sua presença. Me sinto contente de participar desse momento, que faz parte das atividades da vida da Igreja, de estar ao lado do povo. As consequências desse projeto devem ser aprofundadas, sobretudo para que as pessoas possam realmente inteirar do que estão abraçando, do que envolve suas vidas. Também a comissão e os advogados que virão. O relatório que contará a sua própria história vai facilitar muito, porque será enviado a todas as comunidades da Diocese, pois somos Igreja que partilha também os sofrimentos”.

Segundo Dom Plínio, o povo está apreensivo diante da realidade em que se encontra. “As pessoas querem saber o que deve ser feito. Essa esperança hoje foi iluminada. Nós não demos soluções, nós apontamos caminhos. Percebemos que há uma liderança entre eles. Muitas dessas pessoas sabem argumentar e falar do assunto com segurança. Na hora em que a maioria tomar consciência, eles podem se unir e conquistar um final contentador. Nós queremos ir até o fim”, concluiu o bispo.

Por Jucilene Silva

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade