ad16
AutoPECASonline24.pt
GeralTodas as Notícias

FGTS: Ministério Público Federal defende correção pela inflação

[ad#336×280]O Ministério Público Federal (MPF) defendeu sua posição favorável à correção do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) pela inflação oficial. A manifestação do órgão fortalece a tese de cerca de 50 mil ações que pedem o fim do reajuste pela Taxa Referencial (TR) em várias instâncias da Justiça.

No documento, o subprocurador-geral da República, Wagner Castro Netto, argumenta que a TR não foi criada como índice de correção monetária. Por esse motivo, diz que usá-la como indexador do fundo “caracteriza um desvirtuamento de sua função intrínseca”.

Netto também critica a recente suspensão de todas as ações que pedem a correção, determinada pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Benedito Gonçalves, a pedido da Caixa Econômica Federal – ré nos processos.

Carteira assinada
Carteira assinada

Para o subprocurador, “a paralisação das demandas tem, na realidade, resultado procrastinatório [com intenção de atrasar o julgamento], adiando a marcha processual a ser obrigatoriamente percorrida”.

Uma decisão favorável à correção poderia beneficiar em torno de 45 milhões de trabalhadores, com valores de reembolso incálculáveis, segundo estimou a Caixa.

saojoaocanabrava

Responsável por ações coletivas que pedem a correção do fundo, a advogada Indira Quaresma, do escritório Meira Morais, considera fortes os argumentos do MPF e com potencial de influenciar a discussão da matéria.

“O parecer do órgão não obriga os ministros a nada, mas pode ter peso na decisão. Esperamos que, pelo menos em relação à suspensão das ações, o ministro mude de ideia”, afirma Indira.

Procurada, a Caixa se limitou a responder que aguardará a decisão do STJ, e afirmou cumprir “integralmente o que determina a legislação”.

Entenda a batalha pela correção do fundo
A partir de 1999, o índice que corrige os saldos do FGTS passou a perder para a inflação – o que significa que o dinheiro dos cotistas foi corroído pela elevação dos preços.

Na prática, um trabalhador com R$ 1 mil na conta do FGTS em 1999 teria o valor corrigido, hoje, em R$ 1.340,47 pela TR. Se o cálculo fosse feito com base na inflação do período, o mesmo trabalhador acumularia R$ 2.586,44.

Somente nos últimos meses, a Caixa passou a ser alvo de uma avalanche de ações que pedem a troca da TR por um índice inflacionário.

Estima-se que o número de ações já tenha alcançado 50 mil – a maioria nos últimos meses. Mas o banco venceu a absoluta maioria: foram 18.363 decisões contra a revisão ante pouco mais de 20 a favor.

A Caixa tem argumentado que uma eventual correção do FGTS pela inflação pode levar a quase dobrar os juros de empréstimos habitacionais que usam recursos do fundo. Para o banco, uma decisão favorável à correção cria o risco de que o fundo venha a quebrar.

Fonte: IG

5 Comentários

  1. I do accept as true with all the ideas you’ve presented in your post.
    They’re really convincing and can definitely work.
    Nonetheless, the posts are too quick for novices.
    May you please extend them a little from subsequent time?

    Thank you for the post.

  2. Good day! This is my first visit to your blog! We are a group
    of volunteers and starting a new initiative in a community in the same niche.

    Your blog provided us beneficial information to work on. You have done a
    wonderful job!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade