DestaquesGeralTodas as Notícias

Governo do Estado cobra parentes de servidores mortos

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) vai judicializar os casos de saques de valores dos contracheques de forma  irregular. São pelo menos 3 mil ações que envolvem servidores ativos, inativos, pensionistas e familiares de servidores já falecidos. “Vamos ver de que forma esses recursos públicos utilizados em pagamentos indevidos possam ser devolvidos e empregados em projetos de interesse da população piauiense”, disse o secretário de Administração, Franzé Silva.

Governo do Estado cobra parentes de servidores mortos

Segundo informações da secretaria, o Banco do Brasil, do final de 2015 até o mês passado, devolveu mais de R$ 809 mil ao Estado, de valores que ficaram imobilizados em contas salários na instituição. Na apuração feita pela Administração, levando em conta o período de 2005 a 2015 e utilizando o cadastro do sistema informatizado de controle de óbitos, o rombo chega a R$ 17 milhões.

“Já conseguimos recuperar este ano R$ 809 mil de créditos feitos em contas de inativos e pensionistas falecidos. Mas, vamos atrás de todos os depósitos feitos irregularmente em cerca de três mil contas nos últimos 11 anos”, confirmou o secretário Franzé Silva.

 O recebimento indevido de salários e  benefícios previdenciários após o óbito dos servidores tem causado grandes prejuízos ao erário público estadual, conforme anunciou a secretaria depois de constatar os depósitos indevidos por onze anos.

De acordo com Franzé Silva, esse erro foi sanado completamente e agora não existe mais possibilidade da realização de depósitos irregulares, uma vez que antes da liberação da folha é feito um cruzamento de dados junto ao Sistema Informatizado de Controle de Óbitos (SISOBI), que expõe mensalmente dados relativos aos óbitos ocorridos dois meses antes em todo o território nacional.

A Procuradoria Geral do Estado  sustentará na Justiça que os valores foram sacados irregularmente pelos familiares dos falecidos.

Fonte: Diário do Povo

LER MATÉRIA COMPLETA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Leia Também