ad16
AutoPECASonline24.pt
https://ead.uninta.edu.br/
GeralSaúdeTodas as Notícias

Infectologista alerta que dexametasona não deve ser usado preventivamente

O mundo foi surpreendido positivamente nesta terça-feira (16) com os resultados de testes, onde ficou comprovado que o corticoide conhecido como dexametasona foi capaz de reduzir as taxas de mortalidade em cerca de um terço entre os casos mais graves de infecção por covid-19. Os resultados foram divulgados por pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra. A novidade pode gerar uma corrida às farmácias, no entanto, o infectologista Carlos Henrique Nery alerta: o medicamento é só para uso em casos de internação.

“O remédio não tem uso preventivo. Temos evidências que para doenças leves ele pode é piorar o quadro. Se a pessoa tiver qualquer infecção por covid e quiser usar esse remédio pode piorar. Só temos evidencia que o remédio é útil para pacientes internados. O medicamento é endovenoso. Não está disponível para ser usado por via oral não. Nenhum paciente pode comprar para usar”, disse em entrevista à TV Cidade Verde.

Para o infectologista, a redução das mortes causadas pelo medicamento é substancial. 

“É uma redução que para nós médicos é substancial. Está de forma bastante clara esse medicamento para a sobrevida dos pacientes, fora isso não existe nada mais que traga algum benefício para os pacientes com covid-19. Ele só pode ser usado depois de internação e com avaliação médica”, afirmou.

A droga foi aplicada em doses de 6 mg uma vez por dia em 2.104 pacientes no Reino Unido, que fizeram parte de um estudo clínico randômico que recebeu o nome de “Recovery”. Eles receberam a medição por dez dias e tiveram seu desempenho comparado com 4.321 pacientes que receberam apenas os cuidados habituais.

O grupo de Oxford informou que, entre os pacientes que receberam a medicação, houve redução de um terço das mortes dos pacientes ventilados e de um quinto em outros pacientes recebendo apenas oxigênio. Não houve benefício para os pacientes que não necessitaram de suporte respiratório.

Já entre os pacientes que receberam os cuidados usuais isoladamente, a mortalidade em 28 dias foi mais alta naqueles que necessitaram de ventilação (41%), intermediária nos pacientes que precisaram apenas de oxigênio (25%) e menor entre aqueles que não necessitaram de intervenção respiratória (13%). Com base nesses resultados, os pesquisadores apontam que, com o tratamento, uma morte seria evitada entre cada oito pacientes ventilados ou para cada 25 pacientes que necessitem apenas de oxigênio.

Hérlon Moraes (Com informações do Estadão Conteúdo)

Etiquetas
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui