ad16
JaicósMunicípiosTodas as Notícias

Jaicós: Sem casa para morar, pai de família recorre ao Ministério Público

[ad#336×280]O pai de família Jucléson de Lima Oliveira, o Tatom, como é conhecido, recorreu ao Ministério Público da Promotoria de Justiça de Jaicós em busca de ajuda para conseguir um lugar para morar com a filha de 6 anos. Ele trabalha como atendente e ganha apenas R$ 320 por mês, além do benefício social do programa Bolsa Família.

Segundo os fatos narrados à promotora Ednólia Evangelista, atualmente, Tatom reside no Bairro Nova Olinda, na casa do avô, que faleceu recentemente. No entanto, ele terá que deixar a casa, pois o imóvel será dividido entre os herdeiros.

Jucléson de Lima Oliveira, o Tatom
Jucléson de Lima Oliveira, o Tatom

No 2010, quando foi feita uma seleção de famílias para serem beneficiadas pelo programa Minha Casa, Minha Vida no município de Jaicós, Tatom entregou os documentos solicitados pela Secretaria de Assistência Social para realizar o cadastro. No entanto, seu nome não saiu na lista dos beneficiários divulgada pelo órgão.

Ainda segundo Tatom, na época, ele procurou a Secretaria e foi orientado a aguardar pela segunda etapa do programa, cujo a relação dos contemplados foi divulgada no ano passado, mais uma vez ele foi excluído. O pai de família voltou a procurar a Secretaria de Assistência Social e questionou sobre o cadastro e foi informado pelo atual gestor do órgão que os documentos que haviam sido entregues em 2010 estavam do mesmo jeito dentro do envelope e que o cadastro não havia sido efetuado.  O secretário informou, ainda, que haverá uma nova etapa do Programa e que poderá ser feito o cadastro.

Ao Ministério Público, Jucléson informou que na lista de beneficiários da segunda etapa do Programa existem pessoas beneficiadas que já possuem imóvel e outras não estão morando nas casas. Algumas residências estão fechadas e até mesmo alugadas para terceiros.

Tatom disse estar indignado em ver que pessoas que não precisam de casa e até tem outros imóveis foram beneficiadas, enquanto o declarante, que mora na casa do avô, sequer foi cadastrado. O atendente cobrou que sejam adotadas providências cabíveis.

CidadesnaNEt

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade