ad16
AutoPECASonline24.pt
DestaquesMarcolândia

JN no Ar mostra efeitos da seca em Marcolândia

O repórter Pedro Bassan em Marcolândia
O repórter Pedro Bassan em Marcolândia

A equipe do JN no Ar presenciou, nesta quarta-feira (21), os efeitos da pior estiagem dos últimos anos no Nordeste.

Eles rodaram 540 quilômetros, o que foi importante para mostrar como a seca está atingindo a todos. Seja na cidade ou no campo, seja um pequeno produtor ou um grande fazendeiro.

Foram 1745 km de voo entre o Rio de Janeiro e Juazeiro do Norte, na noite dessa terça-feira (20). Ainda de madrugada, a equipe se despediu do padre Cícero e partiu pelas estradas do Cariri. Atravessaram Pernambuco e, com o nascer do sol, chegaram aonde a água não chega, no interior do Piauí.

Para os moradores de Marcolândia, o dia começa com uma decepção.

“Todo mundo só procurando água, não tem outra coisa para fazer. Enquanto não chega, fazer o que? É procurar”, diz um morador.

“Já tem três vezes que eu venho aqui (cisterna) e volto vazio”, fala outro.

A cisterna está seca e mesmo quando tem água, a qualidade não é das melhores. Bem do lado, a um, dois, três, quatro passos, a vizinhança é um chiqueiro.

Depois de oito meses de estiagem, os carros-pipa já não conseguem atender a todos os que precisam de água. E na região eles são muitos.

Nenhum dos 14 mil habitantes de Marcolândia tem água encanada. O utensílio doméstico com que todos sonham é uma simples torneira.

“Tem vezes que a gente deixa de comer para comprar o tambor de água”, conta uma mulher.

Na cidade das casas sem torneira, a água muitas vezes é um luxo de quem pode pagar. E a seca criou um novo negócio: carroças puxadas por burros percorrem a cidade, carregando tambores com 400 litros d’água. Até a escola da cidade só mantém as aulas com essa água. 800 alunos aprendem graças à valentia do burrico.

VEJA VÍDEO DO JN

Nas casas a situação é mais difícil. O carregamento custa R$ 14, é muito para agricultores que perderam toda a produção. E quando as últimas economias vão embora, eles fazem planos para ir embora também.

“Muitos pais de família tem que deixar a cidade para não ver os filhos morrerem de fome”, diz um homem.

A equipe vai para o Ceará. Salitre sempre se orgulhou de ser a terra da mandioca. Agora não sobrou um pé de mandioca sequer nesta terra seca. A cooperativa está com as máquinas paradas e os trabalhadores não sabem o que fazer.

“Dez pessoas em casa. Tenho oito filhos, aí fica complicado a gente parar assim”, afirma uma mulher.

Para fazer essa reportagem, a equipe teve o apoio da TV Verdes Mares e da TV Clube, afiliadas da Rede Globo no Ceará e no Piauí.

O Ministério da Integração Nacional informou que investiu R$ 320 milhões em carros-pipa e na perfuração de poços. Também disse que liberou R$ 1,5 bilhão em linhas de crédito de emergência para os afetados pela seca. COm Informções da TV Globo

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade