ad16
GeralTodas as Notícias

Mais de 300 formados em curso da PM-PI cobram nomeação: ‘estamos desempregados’

Após se dedicarem exclusivamente à corporação por seis meses, novos soldados se veem sem remuneração e sem previsão de nomeação. Governo realiza reunião para tratar sobre o assunto.

Mais de 300 alunos formados no curso de soldado da Polícia Militar do Piauí (PM-PI) cobram nomeação do governo do estado. De acordo com aprovados no último concurso, foi exigida dedicação integral durante o curso em troca de remuneração equivalente a 50% do salário de soldado da PM. Eles dizem que o benefício foi cortado e que o comando geral informou que não há previsão para nomeação.

Procurado pelo G1, o governo do estado comunicou que uma reunião, nesta terça-feira (17), com a secretaria de administração, está tratando sobre a nomeação dos aprovados.

“Pediram dedicação integral, foi exigida uma declaração de não acumulação de cargo como requisito para a matrícula. Todo mundo saiu dos seus empregos, eu saí de um emprego público para fazer parte do curso. Agora que estamos formados não recebemos mais as bolsas e não há um cronograma de nomeação. Estamos desempregados e desamparados”, relatou um dos formandos, que preferiu não ser identificado.

O curso de soldado da PM teve início em janeiro deste ano com duração de seis meses, período em que os alunos recebiam uma bolsa no valor de R$ 1.647,49. A formatura aconteceu no dia 25 de junho e até o momento os formandos não têm um posicionamento sobre quando e se serão nomeados.

“Não temos fonte de renda. Alguns dos que terminaram o curso são de outros estados e estão nessa situação e sem condições de voltar para casa”, disse o formando.

O formando afirmou que enquanto faziam o curso, os alunos foram deslocados para atividades policiais. “Durante os seis meses de formação nós éramos bolsistas, recebíamos metade do salário de um soldado e participamos junto com a defesa civil nas cidades da região Norte na missão alagados, atuamos também no policiamento na rua”, contou.

Diante da situação, o Ministério Público (MP) interveio, fazendo uma recomendação ao comando geral da PM. O órgão recomendou que os alunos civis do curso de formação de soldados fossem retirados do exercício das atividades próprias de policiais militares, em especial policiamento nas ruas, fardado e armado, determinando o retorno dos mesmos às suas normais atividades do curso de formação.

“Terminamos o curso, o governador estava presente na nossa formatura, mas uma semana depois, o comandante se reuniu com a gente e disse que não sabia como seria nossa situação, que tinha se reunido com o governador e não sabia quando seria nossa nomeação e que não poderíamos mais ser bolsistas”, finalizou o formando.

Wellington Dias publicou em suas redes sociais fotos da formatura dos soldados. (Foto: Reprodução/Instagram)

No dia da formatura dos novos soldados, o governador Wellington Dias publicou no seu Instagram fotos da cerimônia e afirmou que os formandos integrariam a segurança do estado. “Prestigiei a formatura de 324 policiais militares, que com sua força jovem vão integrar a missão de proteger o nosso Piauí”, escreveu.

O governo do estado afirmou que a bolsa só é paga durante o período do curso de formação e que o governador e a secretaria de administração vão se reunir nesta terça-feira (17) para ver a possibilidade de nomeação.

Fonte: G1 Piauí

Tags

Leia Também

Publicidade