ad16
AutoPECASonline24.pt
https://ead.uninta.edu.br/
Geral

Morte materna no Piauí é duas vezes maior que o indicado pela OMS

[ad#336×280]A quantidade de óbitos maternos, fetais e infantis é uma denúncia clara da desigualdade social no país, comentou a coordenadora estadual de Atenção à Saúde da Mulher da Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi), Alzenir Moura Fé, durante o II Seminário de Aprimoramento das Ações de Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal, realizado ontem, em Teresina.

Somente no Piauí, segundo a coordenadora, a morte materna tem uma razão de 92.2% a cada cem mil nascimentos/vivos. A Organização Mundial da Saúde  aponta que qualquer valor  acima de 40 óbitos a cada cem mil nascimentos/vivos é considerada alta, apontou a coordenadora estadual. Além disso, Alzenir Moura Fé relatou que quase todos os óbitos  maternos acontecem em mulheres que recebem até três salários mínimos, com  baixa escolaridade, problemas de saúde e má qualidade de vida, incluindo a alimentação. As principais causas dessas mortes são as eclampsias, hemorragias, infecções pós-parto ou da realização de abortos não-seguro.

Foto: reprodução

Com relação à taxa de mortalidade infantil e fetal, a coordenadora declarou  que as ocorrências também são reflexos da má distribuição de renda, dentre outras questões sociais no país. “90% dos casos de mortalidade infantil poderiam ser evitados se houvesse uma melhor assistência ao pré-natal, ao parto, e de melhor qualidade de vida das mulheres gestantes”, destacou Alzenir Moura Fé.

Em boletim, a Sesapi informou que o número de óbito infantil, em 2012, no Piauí, foi de 778 óbitos para 1.000 nascidos vivos. Desses, 556 foram considerados evitáveis, sendo 39% evitável por adequada atenção à gestação, 26% por adequada atenção ao RN e 14% por adequada atenção ao parto. “Essas mortes acontecem devido às concepções perinatais ligadas à qualidade de assistência a saúde da mulher, anomalias congênitas, infecções, problemas respiratórios e doenças sexualmente transmissíveis – passados de mãe para filho – como a Sífilis”, disse Alzenir Moura Fé.

Portal: O Dia

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade