ad16
CidadeDestaquesTodas as Notícias

Mulher sofre traumatismo após cair em vala aberta na Cohab

A vítima ainda se encontra hospitalizada na Capital Teresina.

Há mais de 10 anos, os moradores da Quadra 12 do Conjunto Habitacional Petrônio Portela (Cohab), em Picos, convivem com valas abertas na rua feitas pela Agência de Águas e Esgotos do Piauí (Agespisa) que tem provocado diversos acidentes. No caso mais recente, uma mulher identificada por Remédios, de 56 anos, caiu em um dos buracos e sofreu traumatismo na coluna. A vítima ainda se encontra hospitalizada na Capital Teresina.

Foto: Folha Atual
Foto: Folha Atual

A reportagem esteve no local e verificou a existência de três valas, com profundidade e camufladas pela vegetação. Alguns moradores revoltados com a situação mencionaram que é constante a queda de veículos nos buracos.

A moradora do Conjunto Cohab, Irene Ferreira, foi a primeira pessoa que avistou a mulher caída na vala. Ela explica que devido a problemas de saúde não pode socorrê-la, mas que gritou desesperadamente por socorro aparecendo populares para ajudar.

“Tinha ido para as homenagens dedicadas ao meu irmão falecido. Foi quando vi uma blusa branca caindo. Saí correndo pensando que poderia ser algum familiar e mesmo com problema de coluna consegui correr, porém não tinha ninguém na rua, era muito cedo. Foi quando gritei as pessoas, um sargento ia passando e pedi socorro. Aí meu irmão e mais dois homens socorreram ela. Esse problema é antigo, por várias vezes sinalizamos os buracos, mas as pessoas retiram”, disse Irene  Ferreira.

O aposentado, Bernadino Valério, e morador do bairro foi um dos populares que socorreram Remédios. Ele relata que a situação no local é perigosa e tem feito várias vítimas.

“Esse buraco aberto numa curva é muito perigoso. Passo todo dia pela manhã para ir para a academia. Quando saí de casa escutei os gritos da senhora pedindo socorro. A gente tem medo porque já caiu pessoas, carros. Era bom que resolvessem nosso problema”, disse o aposentado.

O eletricista, Aldair Ferreira Guilherme, que na década de 90 se mudou do bairro e hoje mora em outro Estado, frisou que sempre retorna à Cohab para rever familiares, mas que a situação de descaso o indigna.

“É muito descaso. De cinco em cinco anos eu venho aqui para visitar os parentes, mas esse buraco é antigo e as autoridades não fazem nada. Até quando vão resolver isso? Quando uma criança cair, perder a vida? A senhora que foi socorrida estava sem ar. E agora os prejuízos do estado da senhora ficarão com quem? Ela tá com traumatismo na coluna. Penso um dia voltar pra cá e a gente sai daqui com uma imagem péssima”, disse Aldair Ferreira.

O morador do Conjunto Cohab, Paulo Leal Nascimento, destacou que por diversas vezes os moradores procuraram a Agespisa para solução do problema, mas até agora nada foi resolvido.

“Já clamamos pelo poder público há um bom tempo e agora aconteceu esse acidente. A senhora teve traumatismo na coluna e ainda está internada em Teresina. Já procuramos a Agespisa várias vezes, ligamos, mas o problema nunca é resolvido. Isso é muito revoltante”, disse Paulo Leal Nascimento.

180graus

Tags

Leia Também

Publicidade