ad16
DestaquesGeral

No Dia Internacional da Mulher, uma homenagem às atletas da SEP que fazem história em Picos

[ad#336×280]Elas são companheiras, batalhadoras, carinhosas, determinadas, corajosas… elas são simplesmente mulheres. Neste dia, 08 de março, em que se comemora o dia Internacional da Mulher, todas as homenagens são rendidas a você mulher. Uma data que simboliza conquista  e reconhecimento de direitos, respeito perante à sociedade.

Nos últimos meses, onze mulheres tem conquistado destaque na cidade de Picos, se tornando motivo de orgulho para o povo picoense. O time das “Abelhas Rainhas” como estão sendo mais conhecidas, é literalmente formado por onze rainhas, estrelas. O portal RiachaoNet  neste dia da Mulher homenageia as atletas da Sociedade Esportiva de Picos – SEP de futebol feminino, que se mostram sinônimo de garra e superação.

Atletas da SEP durante treino - Foto: Romário Mendes
Atletas da SEP durante treino – Foto: Romário Mendes

Um sonho de infância

Jogadora Ceará
Atacante Ceará – Foto: Romário Mendes

Jogar futebol foi o sempre o seu maior sonho. Tarciana da Silva Sousa, 25 anos, a “Ceará”, é natural do Estado do Ceará e desde os 7 anos de idade joga futebol, aos 12 começou a jogar profissionalmente.

Ceará conta que o seu pai no início não incentivava a mesma a seguir no futebol, tido até então como esporte masculino. “Meu pai não queria que eu jogasse bola, principalmente que tivesse de sair de casa para jogar futebol. Mas com o tempo se tornou um incentivador. O mesmo me colocava para jogar bola com os meninos para que eu tivesse maior habilidade e rapidez dentro do campo”, disse a jogadora.

Aos 13 anos, Ceará jogou no Verdejante (primeiro time), depois Salgueiro, passando por todos os times do Nordeste. Alçando voos maiores, e uma forma de também ajudar a família, a jogadora rumou destino a São Paulo, ainda com 17 anos. Em São Paulo, Ceará despontou na carreira, jogando em grandes clubes, como o Santos, Corinthians, Juventus, e entre outros. Nesta fase foram vários títulos conquistados na carreira.

Mas nem tudo são flores. Tarciana conta que ao longo da carreira no futebol muitos são os desafios enfrentados, o preconceito é um deles. “Eu sou muito feliz no que faço, apesar de sofrer preconceitos porque sou mulher e jogando futebol. Muitas pessoas ainda recriminam isto, mas cabeça erguida, baixada somente para orar”, conclui a atleta.

DSCN9994

A chegada em Picos…

Há 2 anos a jogadora Ceará tem jogado pelo time picoense. A mesma relata que em nenhum outro lugar recebeu apoio da torcida como na “Capital do Mel”, e isto que tem sido a força motriz para incentivar o time na competição da Copa do Brasil.

Uma vida pelo futebol

A brasiliense Grazielle Pinheiro Nascimento, 32 anos, tem feito história na SEP de Picos. Desde muito cedo, a atleta tem dedicado sua vida aos campos de futebol.

Grazielle conquistou títulos pela Seleção Brasileira de Futebol feminino - Foto: Romário Mendes
Grazielle Pinheiro Nascimento – Foto: Romário Mendes

“Eu saí de casa muito cedo. Saí com os planos de que só retornaria no dia em que meus planos fossem realizados. Acho que durante todo este período o que foi planejado tanto por mim quanto pela minha família foi concretizado”, destacou Grazielle.

Grazielle Pinheiro em sua carreira jogou pela seleção brasileira de futebol feminino, por times da Espanha. Muitas foram suas conquistas, mas a atleta diz aguardar com a ansiedade o titulo da Copa do Brasil, algo que se conquistado representa o agradecimento acolhida e receptividade que teve por parte dos picoenses.

“Estou em Picos muito feliz. É de fato um grande desafio. Aqui temos o apoio da torcida, algo que vemos apenas em poucos lugares, e que nos motiva dar o melhor sempre”, afirma a jogadora.

“O futebol feminino ainda vive uma decadência”

A atleta costuma conscientizar as demais colegas sobre o respeito ao esporte que vestem a camisa. ” Eu costumo dizer que sou da segunda geração de futebol feminino. Podemos afirmar que o futebol feminino em nosso país ele sempre dá uma melhora de acordo com os resultados da seleção, caso  vão mal começa a decair. Temos de dar valor a nossa camisa e a nossa torcida que tem comparecido e nos apoiando em todos os jogos”, ressalta

A maior de todas as conquistas

Grazielle Nascimento disse ainda a nossa reportagem que a maior de todas as suas conquistas foi a medalha nos Jogos Olímpicos  de Atenas em 2004.

Jogadora Grazielle Nascimento é consolada pelo técnico Kleiton Lima de perder o ouro para o Canadá - Foto: Reprodução
Jogadora Grazielle Nascimento é consolada pelo técnico Kleiton Lima de perder o ouro para o Canadá – Foto: Reprodução
Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade