ad16
ColunasCrônicas da EuropaGeral

O avanço da extrema-direita na Europa: um alerta para o Mundo

É preocupante o avanço de grupos de extrema-direita na Europa. O continente da liberdade se vê lotado de oportunistas políticos, com pitadas de loucuras, falta de amor e muito ódio. Essas pessoas querem ressuscitar massivamente o nazismo, o arianismo e outros “ismos” negativos que ficaram incubados após os massacres e horrores da Segunda Guerra Mundial.
Uma das mais recentes facetas dos “nacionalistas”, como preferem ser chamados os de extrema-direita, é sua ascensão à política partidária e sua chegada ao poder, passando de coadjuvantes a disputadores principais das discussões de futuro em muitos países europeus. Como a Europa ainda influencia muitos debates e tendências no Mundo: o sinal de alerta fica mais que ligado!

Os exemplos mais recentes estão na Grécia (onde eles chegaram com forte número ao Parlamento) e na França (onde sua candidata saiu em terceiro lugar ao cargo de mandatário do país, obtendo quase 20% dos votos). Em outros países como Holanda, Espanha, Suécia e Itália: há tempos há partidos políticos nitidamente ligados a essas causas.

Claro que entre os diversos grupos extremistas têm os radicais e os muito radicais. Os primeiros, mais alinhados ao exemplo francês, usam o nacionalismo e defesa do país a todo custo como bandeira de luta. Esses são mais covardes em mostrar a cara. Os segundos pregam abertamente o nazismo, dentre outras idiotices políticas e com outros nomes. No fundo são as mesmas tolices e periculosidades que Adolf Hitler imortalizou na história. Eles odeiam migrantes, judeus, ciganos, mestiços e todos que não pensem, não ajam e não tenham nascido no seu país e com suas características físicas. Esses fazem questão de mostrar a cara e atualmente seu exemplo mais notório é na Grécia. Mas em todos os países europeus há milhares de grupos dessa estirpe. Há casos notórios na Hungria e nos países nórdicos.

É pra rir, mas, mais que isso: é para nos preocuparmos.

Midiaticamente acompanho os passos dessas pessoas desde que cheguei a Europa. Como imigrante que sou (uma parte do tempo em São Paulo e agora aqui no Velho Continente) digo, e repito, é gritante como tais grupos crescem, e em todos os países, principalmente se você não for branco, não possuir corpo com aparência anabolizada, olhos claros e cabelos claros é um super-perigo em muitos lugares da Europa de ser agredido ou hostilizado.

Nos últimos dias pude acompanhar “in loco” o que eles são capazes de fazer e o que querem: ressuscitar o arianismo, o perigo de ideias que todos pensavam estar enterradas, e agora mostram sua cara. As fotos e vídeos postados aqui são na Hungria. Pude ver nos rostos, expressões físicas e depois em seus sites e manifestos: o quanto são perigosos e o quanto podem prejudicar o Mundo.

O mais grave é que esses movimentos são alimentados e têm fortemente entre suas fileiras jovens (quase todos de boa formação acadêmica e muito bem conectados com as redes sociais e instrumentos comunicacionais da atualidade). Ou seja: há uma renovação e radicalização entre o movimento e uma insatisfação entre uma geração tradicionalmente questionadora. Os questionamentos da maioria desses grupos (qualquer pesquisa rápida na Internet nos traz milhares de sites dessas pessoas) nos trarão informações de que as ideias é radicalizar, inclusive sobre os pensamentos nazistas que tanto afligiram a humanidade.

Os membros dos grupos de extrema direita gozam da liberdade europeia de poderem se manifestar e deslocar facilmente. São pouco incomodados e ganham mais e mais adeptos, principalmente em tempos de crise econômica e política, onde os tradicionais grupos de direita, esquerda e social-democracia pouco conseguem dar respostas concretas sobre dias melhores para o continente.

O pior é que no Brasil começam a pipocar também esses grupos. Os alvos principais são os nordestinos, judeus, afrodescendentes e homossexuais. No Brasil o agravante é que a maioria desses idiotas têm uma ligação familiar direta com os mesmos grupos que eles fingem tanto odiar. Talvez em nosso país seja apenas a carência afetiva de “filhinhos de papai”, mas na Europa o perigo é mais pujante, principalmente porque a ressuscitação de ideias nazistas em tempos de informação capilar é uma combinação perfeita para a propagação de idiotices em larga escala.

EXEMPLOS DO QUE ESSE POVO PENSA:

FOTOS DE MANIFESTAÇÃO DA EXTREMA-DIREITA HÚNGARA: http://www.facebook.com/media/set/?set=a.10150939868414730.436200.786734729&type=3

VÍDEO 1: http://youtu.be/eytTcqppYQ0

VÍDEO 2: http://youtu.be/sv_jjvh9S_c

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade