ad16
Alagoinha do PiauíDestaquesGeralMunicípiosTodas as Notícias

Pastor natural de Alagoinha do Piauí é vítima de escândalo nacional

Quem acessa o aplicativo Whatsapp, sites e blogs de fofoca, além de páginas do Facebook que tratam sobre o “mundo cão” deve ter tomado conhecimento da história da divulgação do selfie (auto-fotografia) envolvendo uma suposta cantora evangélica e jornalista com um pastor em cena de sexo.

Ele é o líder religioso e político Antônio Manoel Sousa, 53 anos, natural de Alagoinha do Piauí. Ela é a estudante Priscila Yasmin Alves Castilho, 22 anos. O caso ocorreu na cidade de Vilhena (Rondônia, a 707 quilômetros de Porto Velho).

Boatos
Boatos

O pastor fundou igrejas, pregou o evangelho e ajudou muita gente nos estados do Piauí e Rondônia. Sua família se diz destroçada pelos boatos provocados pela repercussão do caso e pelas histórias que não são verdadeiras trazidas nisso tudo.

A história ganhou o Brasil em tom de boataria, trazendo fatos secundários e mentirosos, inclusive dando conta de que ocorreu em outros sete estados, envolvendo os mesmos personagens.

Outras histórias foram surgindo, entre as quais a profissão do pastor, o que ele faz, a profissão da garota, com forte número de prints (cópias das matérias) e histórias dando conta de que o suposto esposo da garota tinha cometido suicídio.

Há dois dias que a reportagem de O Olho apura o caso. Entrevistou parentes e amigos do pastor e da fiel. Traz matéria sobre o ocorrido, que ganhou repercussão nacional, não no sentido de exposição e condenação de um pastor envolvido sexualmente com uma fiel, mas sim sobre a irresponsabilidade da divulgação de fatos íntimos pelas redes sociais e suas consequências.

O Olho é contra a veiculação de imagens de conotação sexual. O portal apurou como a divulgação dos fatos tem atormentado a família do pastor e da fiel. Foram entrevistados parentes dos dois envolvidos no Piauí e em Rondônia. O pastor e a fiel continuam isolados e evitam falar com a imprensa, mesmo a foto já tendo vazado há mais de dois meses.

O caso ganhou repercussão nacional na semana passada quando começou a ser requentado e explorado, como atual, via Whatsapp.

O QUE REALMENTE ACONTECEU E O QUE É MENTIRA?

content_PASTOR-01

O caso de fórum íntimo realmente aconteceu e os personagens das fotos são, de fato, o pastor piauiense e a estudante Priscila Castilho, ambos moradores de Vilhena, Rondônia. Eles são membros da Igreja Presbiteriana Renovada. Segundo o padrinho da garota, que também é jornalista e proprietário de site de notícias e de jornal impresso em Vilhena (RO) isso é o único fato realmente verdadeiro veiculado pelas redes sociais e sites noticiosos e de fofoca de todo o Brasil.

“O restante é tudo mentira. Só há verdade em uns 10% do que é veiculado. Por isso que o fato tem maltratado tanto as famílias”, disse a O Olho, pedindo ressalvas do nome.

content_PASTOR-06

Priscila Castilho não é jornalista, apesar de no seu perfil do Facebook constar essa profissão. Esse detalhe ajudou na boataria do caso. “Ela tem vontade de ser jornalista, mas nunca foi”, explicou o padrinho.

Ela também não é casada. Ela não tem (ou tinha) marido ou namorado. Por isso o boato de que seu esposo cometera suicídio não passa de maldades. “Outro boato maldoso esse da foto de homem que se enforcou porque descobriu que tinha sido traído por ela”, complementou o jornalista.

Pesquisas na Internet dão conta de que as fotos do rapaz (vivo e morto – enforcado) que aparecem em postagens no Whatsapp e em matérias de sites e blogs é de um caso do ano passado e no estado do Tocantins.

“Ela é estudante e cantora amadora. Ele, apesar de ser chamado de pastor, estava afastado há anos da igreja. Era só mais um membro da Igreja Presbiteriana Renovada aqui de Vilhena”, contou o jornalista.

“Tenho conversado com os dois e eles estão sem falar com ninguém. Muito abalados com toda essa repercussão”, lamentou o padrinho da garota.

PASTOR FUNDOU IGREJAS NO SERTÃO DO PIAUÍ. FAMÍLIA ESTÁ DESOLADA

Mais do que em Vilhena, cidade em que houve a repercussão do fato e em que moram as pessoas vítimas do vazamento das fotos, na pequena Alagoinha do Piauí (localizada a 388 quilômetros de Teresina – no Sertão do estado) está desolada e abismada com a repercussão do caso.

O pastor Antônio é natural da cidade. Ele nasceu na localidade Areia Branca, quando a comunidade ainda era município de Pio IX. Em Alagoinha se casou com a esposa Edileusa Carvalho há 25 anos. Ela é filha do primeiro prefeito da cidade Salomão Carvalho.

content_PASTOR-ANTONIO

O pastor, mesmo não morando em sua terra natal, anualmente vem ao Piauí visitar parentes e amigos. Ele tem pretensões políticas de se lançar prefeito na terra natal.

Também tem um histórico na cidade por ser fundador de várias igrejas evangélicas em Alagoinha do Piauí, como Assembleia de Deus, Presbiteriana e Batista.

“É um homem do bem, muito conhecido, sempre fez o bem aqui. A repercussão desse caso maltratou toda a família e toda a cidade”, revelou uma prima, que também é professora.

“A família está magoada e triste, pois em tudo quanto é Whatsapp e em Facebook e em site tem notícia mostrando a foto dele com a menina. Ele tem família. Isso poderia ocorrer com o parente de qualquer um da gente”, refletiu a professora. “Isso é crime? Crime de quem vazou as fotos”, complementou.

O pastor Antônio, como é conhecido no mundo político é filiado ao PSC e já foi vereador de Vilhena. Ele morava em Rondônia há quase 20 anos. Foi para a cidade tentar uma nova vida, convidado pelo irmão que lá residia. Desde 2008 é assessor direto do prefeito da cidade, José Luiz Rover.

Em Vilhena o caso já deixou de ganhar a boca do povo, já que começou a ser divulgado há mais de dois meses. Os sites da cidade não dão mais repercussão. Inclusive o assunto de fofoca da vez é o suposto vazamento de um vídeo em que um suposto empresário da cidade. É outra mentira.

O pastor Antônio continua trabalhando como assessor especial da prefeitura de Vilhena (que é uma cidade do tamanho da piauiense Picos e uma das mais importantes de Rondônia).

A estudante Priscila Castilho continua recolhida em casa.

“É um caso para trazer reflexão para todas e todos, principalmente nos momentos íntimos de não tirar, em hipótese alguma: fotos. Isso pode terminar vazando. E quando vaza termina tendo proporções nunca mais reparáveis”, comentou e lamentou o padrinho de Priscila.

Somente um site de Vilhena ainda ostenta o fato. Os outros tiraram a matéria do ar. Mas, no restante do Brasil, dia após dia, o boato só cresce.

Até o meio da tarde desta quarta (27) as matérias sobre o caso já constavam em mais de 1.500 sites e blogs, alguns deles de repercussão nacional. Praticamente todos reproduzem as mesmas fotos, conteúdos e mentiras.

Portal O Olho

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade