ad16
DestaquesSaúdeTodas as Notícias

Piauí montará 26 barreiras sanitárias nas divisas com Maranhão para barrar nova variante indiana

A Assessoria da Sesapi afirmou que na manhã desta terça-feira (25) equipes estiveram reunidas para traçar medidas mais rígidas.

Nesta segunda-feira (24/05), o Ministério Público do Piauí, através da 12ª Promotoria de Justiça de Teresina, expediu uma recomendação para todo estado para que por intermédio do secretário estadual de Saúde, Florentino Neto, providências sejam adotadas a respeito da nova variante indiana, já com 6 casos confirmados no estado vizinho, Maranhão.

Procurada pelo OitoMeia, a assessoria da Secretaria Estadual de Saúde do Piauí (Sesapi) afirmou que na manhã desta terça-feira (25) equipes estiveram reunidas para traçar medidas mais rígidas e de intensificação para coibir a disseminação da cepa indiana. Entre as medidas estão: a montagem de 26 barreiras sanitárias nas divisas entre Piauí e Maranhão, além de manter as barreiras em rodoviárias e aeroportos.

A respeito do recebimento da recomendação enviada pelo Ministério Público do Piauí, a assessoria afirmou que até o momento desconhece qualquer novo documento enviado pelo MP.

(Foto: Reprodução)

De acordo com o Órgão, o documento que foi assinado pelo promotor de Justiça Eny Marcos Vieira Pontes orienta ao estado do Piauí a adoção imediata de estratégias de saúde pública específicas, como:

  • Realização de barreiras sanitárias nos limites territoriais;
  • Barreiras nos terminais de passageiros das rodoviárias e aeroportos do estado;
  • Realização de testagem de antígeno para tentar evitar a disseminação da variante indiana do novo coronavírus;
  • Feitura de busca ativa quanto aos possíveis casos de contaminação da variante.

O promotor de Justiça solicita ainda que as autoridades estaduais encaminhe à 12ª Promotoria de Justiça todos comprovantes que demonstrem o acatamento da recomendação. Os gestores têm o prazo de cinco dias, a contar do recebimento das orientações, para apresentar resposta.

(Foto: Reprodução)

Além disso é advertido que a tomada de conhecimento da recomendação é elemento de prova para o ajuizamento de ações cíveis ou criminais.

OitoMeia

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade