ad16
Geral

Piauí terá que devolver mais de R$ 800 mil ao SUS, determina STF

[ad#336×280]O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, indeferiu o pedido do estado do Piauí e manteve a cobrança de R$ 801.027,29, com a justificativa de que os ex-administradores da Unidade Mista de Saúde Joana de Moraes Sousa e Hospital Estadual Dr. João Pacheco Cavalcante utilizaram-se de práticas condenáveis para se apropriar de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS).

A devolução do dinheiro à União deverá ser feita até o dia 15 de fevereiro, sob pena do estado ser incluso no registro de inadimplência nos cadastros de controle, Siafi/CAUC. Para o STF, o governo do Piauí errou na fiscalização dos recursos e desta forma deve ser responsabilizado.

O Tribunal de Contas da União (TCU) revela que a prática de atos ilícitos dos ex-gestores das duas unidades compreendia: cobrança por serviços mais onerosos do que os realizados e por outros nem sequer prestados (caso da unidade mista) e a cobrança irregular por serviços (pelo hospital estadual).

Diante da má gestão dos recursos do SUS repassados às duas unidades, o TCU determinou ao Piauí a restituição de, respectivamente R$ 349,322,06 e R$ 451.705,23 à União. Em sua defesa, o governo do Piauí alega que só os gestores faltosos poderiam ser punidos pelos ilícitos cometidos e que a administração estadual é tão vítima quanto à União dos atos praticados pela antiga gestão dos dois hospitais.

O presidente do STF também destacou que os casos apresentados nos autos, constata que “o autor não demonstrou ter tomado qualquer atitude voltada ao controle dos atos dos agentes públicos, nem à reparação de dano”. Assim, no entender do ministro, se acolhida a proposta do governo piauiense, “o princípio da intranscendência se tornaria uma carta de imunidade prévia à responsabilização por eventuais lapsos de gestão”.

A falta de comprovação de providências legais cabíveis pelo governo do estado, ainda de acordo com o ministro, “é imprescindível para que as disposições da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tenham efetividade”.

Decisão
Embora ressalvando não ser caso de excepcionalidade inadiável que justificaria a atuação da presidência do STF, os pedidos serão examinados pelos relatores de cada uma das ações, por ocasião do início do ano judiciário. COm informações do G1 Piauí

Tags
LER MATÉRIA COMPLETA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Leia Também