ad16
Destaques

Portal da Globo repercute golpe de formatura

Proprietários da Styllos
Keila Moreno e Fabiano Nunes, proprietários da Styllos

Estudantes de universidades públicas e privadas do Piauí têm procurado a polícia desde sábado (17) para denunciar um golpe de uma empresa que organiza festa de formaturas. Segundo a polícia, a empresa Styllo’s Eventos, com sede em Teresina, tem sido mencionada em dezenas de boletins de ocorrências nas cidades de Floriano, Piripiri, Parnaíba, Picos e, principalmente, na capital do Piauí.

O delegado da Delegacia Regional de Picos, Everton Ferreira de Almeida Ferrer, afirmou que vai encaminhar à Justiça nesta terça-feira (20) o pedido de prisão preventiva da proprietária e de seu marido, que não é sócio dela, mas também trabalhava na empresa.

Segundo estudantes ouvidos pelo G1, a proprietária desapareceu há quatro dias sem dar explicações. Até agora, pelo menos uma festa de formatura que deveria ter sido realizada no sábado, em Teresina, foi cancelada. Outra, marcada para a semana que vem, em Picos, a 300 km da capital, terá que ser improvisada.

Em Picos, o delegado estima em mais de 30 o número de boletins de ocorrência de estudantes que se sentiram lesados pela empresa. “Só aqui o prejuízo deve ter ultrapassado meio milhão de reais”, afirmou ele. De acordo com o levantamento da polícia, a Styllo’s Eventos prestava serviço inclusive no Maranhão, e o total do valor pago pelos formandos pode passar de R$ 5 milhões.

G1 tentou entrar em contato com a empresa nesta terça-feira, mas nenhum dos telefones atendeu.

Formaturas canceladas
A futura advogada Nízia Sandra Ribeiro de Sousa Castro, de 40 anos, já tinha alugado todos os vestidos para os seis dias de eventos que marcariam sua formatura entre 26 de setembro e 1º de outubro. No sábado, ficou sabendo que a empresa havia fechado as portas e sua dona estava desaparecida.

Segundo relato de estudantes, quem descobriu o golpe foi um grupo de formandos em Teresina que, no sábado, foi até o local onde, horas mais tarde, aconteceria seu baile de formatura. Os estudantes contam que o local do evento estava vazio, assim como a sede da empresa, também na capital piauiense. Eles descobriram também que, na madrugada anterior, caminhões de mudança haviam levado embora os móveis e equipamentos da empresa.

A polícia investiga o paradeiro do casal e vai pedir à Infraero detalhes dos voos que saíram de Teresina desde sábado. A polícia apura denúncia de que o casal teria ido para Fortaleza e que, de lá, seguiria para Portugal.

O motivo da fuga também está sendo apurado. “Tem alguns processos de execuções contra a proprietária e parece que houve uma execução recente de um valor bem alto, mas acredito que não deve ser esse o único motivo”, afirmou o delegado. “Ninguém sabe ainda se eles estão devendo ao fisco federal e estadual. Estamos apurando o montante real da dívida”, disse.

Além da prisão preventiva, a polícia tenta conseguir na Justiça mandados para levantar os bens e patrimônio do casal. Enquanto isso, o número de universitários que procuram as delegacias não para de subir. No 12º distrito policial de Teresina, cerca de 30 pessoas prestaram queixas na tarde desta terça-feira.

Prejuízo
Duas das cerimônias do curso de direito da Universidade Federal do Piauí (UFPI), no qual Nízia está matriculada, foram canceladas: a aula da saudade, onde os alunos se reuniriam pela última vez com alguns dos professores, e o descerramento da placa oficial da turma, que não foi entregue pela Styllo’s. Os serviços, segundo Nízia, foram contratados em 2 de setembro de 2010 e quites por todos os 30 formandos da turma no mês de julho. “Era uma exigência da empresa”, contou ela.

A formanda, que faz parte da comissão de formatura, disse que quatro pessoas já desistiram por completo do evento, mas os demais, enquanto isso, estão tentando montar as festividades em cima da hora. “Estamos tentando concentrar esforços, fazendo rifa, contando com a ajuda de parentes. Vamos ter que pagar tudo novamente”, afirmou.

Os locais da missa, da colação de grau e da festa, além da banda e da comida, foram contratados por fora pelos estudantes e, portanto, continuam garantidos. Mas a iluminação, a decoração e os serviços de fotografia e filmagem eram de responsabilidade da empresa.

O universitário Danilo Martins de Alencar, de 22 anos, pagou até agora nove das 23 prestações de R$ 105 do contrato que fechou com a Styllo’s em dezembro de 2010. Cursando o oitavo semestre do curso de enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (Uespi), também em Picos, ele vai se formar em setembro de 2012.

Para baratear os custos da formatura, os estudantes de enfermagem se uniram aos de agronomia, educação física e letras para realizar a festa que sonhavam. O valor total do contrato assinado pelos mais de 50 formandos, segundo Alencar, é de quase R$ 131 mil.

“Escolhemos a Styllo’s porque até então era a que tinha mais nome”, disse Alencar. “Apesar de ser um pouco mais alto o valor, em compensação era muita coisa que eles ofertavam. Já fui em formaturas deles e eram perfeitas, muito bonitas.”

Nízia afirmou que sua turma votou entre a Styllo’s e uma empresa local de Picos. Segundo ela, já corriam alguns boatos sobre a reputação da empresa de Piauí, que atua há pelo menos cinco anos no mercado. “Ouvimos falar que eles entregavam as coisas diferente do prometido, que havia floriculturas que eles contrataram mas não pagaram”, disse ela.

Fonte: G1

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade