ad16
DestaquesEconomiaTodas as Notícias

Prova do Enem 2018 teve mutação genética, Minecraft e teoria das eleições e carros ‘flex’

Segundo dia de provas neste domingo (11) teve 45 questões de matemática e 45 de ciências da natureza, com física, química e biologia.

O segundo dia de provas da edição 2018 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) teve questões sobre mutação genética, rastreamento de bagagem nos aviões e corrente elétrica dos peixes. Uma questão que se destacou se inspirou no popular game Minecraft para exigir dos candidatos conhecimentos para calcular a dimensão de um cubo.

Neste domingo (11), o Enem 2018 teve as provas de matemática e ciências da natureza, que engloba as disciplinas de física, química e biologia.

Outras questões que caíram no Enem foram inspiradas na fruta atemóia, no Salão do Automóvel de São Paulo, na Lei Nacional Antidrogas, nos pedágios das estradas e nos carros “flex”, que funcionam com etanol e gasolina.

Uma questão de matemática citou o artigo 33 da Lei Nacional sobre Drogas, que fala sobre a redução da pena por bom comportamento para os condenados sem ter antecedentes criminais. Para acertar a resposta, os estudantes tinham que calcular quanto, em anos e meses, representa a redução de 1/6 a 2/3 da pena, tempo previsto na lei.

O professor de matemática Felipe Freire, do Sistema COC de Ensino, fez a prova do Enem e afirmou que as 45 questões da prova exigiram muito tempo dos candidatos.

A prova estava em um nível pesado, se você fosse relacionar as interpretações das questões, para o aluno matar qual era a charada da questão até o desenvolvimento dela, demandava um tempo. Os gráficos foram muito bem utilizados durante praticamente todas as questões. Sem falar que questões que englobavam somente interpretação de gráfico caíram em peso”
— Felipe Freire, professor de matemática do Sistema COC de Ensino

Para o professor, o nível de dificuldade da prova foi mediano. “Não posso classificá-la como fácil, mesmo tendo questões de resposta óbvia, mas também não posso falar que a prova foi extremamente difícil, exceto na parte da interpretação das questões”, resumiu ele.

Veja abaixo algumas das questões de destaque na prova deste ano:

Ciências da natureza

Em ciências da natureza, a parte de biologia teve prevalência de temas sobre genética. Pelo menos quatro questões abordaram o assunto. Em uma delas, os estudantes tinham que saber sobre a mutação de DNA e a ausência da proteína P53, a proteína citoplasmática.

Na parte de física, os estudantes precisaram responder a uma questão que abordava a tecnologia RFID, que representa a sigla em inglês de “Radio-Frequency IDentification” (identificação por rádio-frequência). Essa tecnologia serve para rastrear gado, veículos que passam por pedágios nas estradas e as bagagens despachadas pelas empresas de aviação.

Em química, uma questão usou os carros “flex” para pedir que os estudantes indicassem as vantagens e desvantagens de abastecer esses veículos com etanol e com gasolina.

Outra questão de biologia falava sobre o DNA da cevada e como o genoma da cevada é mais complexo do que o humano. O enunciado pediu que os candidatos respondessem a forma mais adequada de definir o conceito de genoma a partir dessa comparação.

Os estudantes também tinham que saber pelo menos uma variação que sofrem os seres vivos pertencentes à fauna do bioma presente em regiões de deserto para acertar uma das perguntas de biologia.

Outra questão usou orquídeas para falar sobre especiação evidente. Com uma representação do cruzamento de nove populações de uma espécie de orquídea, o enunciado perguntava em qual localidade havia um processo de especiação evidente.

A fruta atemóia também apareceu no Enem 2018, mais especificamente no seu processo de plantio, que se dá por meio da enxertia. O enunciado perguntou qual é um dos benefícios dessa forma de plantio.

A holometabolia, ou “metamorfose completa” de insetos como abelhas e borboletas, também caiu no Enem.

Ainda na prova de ciências da natureza, uma questão comparou uma pilha de 200 anos antes de Cristo, descoberta em 1938, feita com barro, tubo de cobre, ferro e betume. O enunciado comparou essa pilha antiga com uma pilha atual e perguntou o que funciona como cátodo, que é o terminal negativo da pilha.

Uma questão usou o processo de craqueamento do petróleo para exigir habilidades sobre reações químicas.

Fritz Haber, que ganhou o Prêmio Nobel de Química em 1918, também apareceu no Enem. Os candidatos precisavam saber qual foi a descoberta que ele fez em química e que lhe rendeu o prêmio.

Outra questão, na área de física, exigiu habilidades de amperes e voltagem. Ela citou a corrente elétrica produzida por peixes como o poraquê e a enguia elétrica da Amazônia para compará-la à de equipamentos elétricos como o exaustor, o computador e aspirador de pó. Para responder corretamente, os estudantes tinham que calcular qual dos equipamentos têm potência similar à dos peixes. Também em física, os candidatos tiveram que entender sobre conceito de força, pressão e densidade do ar para calcular a força de sucção exigida para beber um suco com canudo.

Matemática

Em matemática, uma das questões trazia um mapa do tesouro. O enunciado mostrou uma mapa e um tesouro com a escala de 1 para 58 milhões e pediu para os candidatos calcularem a mediana em quilômetros da reta a partir desta escala.

O Enem também pediu que os estudante analisassem um gráfico. Nesse, o tema era a campanha contra a raiva realizada em Minas Gerais. A partir de dados da campanha de 2013 a 2015, era preciso verificar a cobertura de pessoas imunizadas em 2014, a partir de um cálculo de valores aproximados.

Os estudantes também tiveram que calcular uma média de pessoas que compraram carros elétricos no Brasil entre 2013 e 2017 a partir de dados de vendas anuais.

A Lei de Newton também caiu no Enem 2018, ilustrada por um satélite em órbita. A partir de uma fórmula oferecida no enunciado, e de um plano cartesiano para calcular massa do satélite e raio da órbita em torno da Terra, os estudantes tinham que calcular o raio do plano cartesiano.

Outra questão abordava a teoria das eleições e os “métodos de borda”, usados para escolher a melhor poesia de uma escola. O candidato precisou aplicar o método para chegar à resposta correta.

Química orgânica mais difícil
Uma estudante que fez o Enem comentou os temas que caíram na prova de matemática.

Segundo Ana Luiza Marinho, de 20 anos, a prova de matemática foi mais fácil do que as questões de física, química e biologia, que exigiram mais atenção dos estudantes. “Especialmente química orgânica.”

do G1

Etiquetas
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade