ad16
Educação

Aluno aponta professor do Christus como responsável por distribuição de simulado do Enem

Um professor de física identificado no site do Colégio Christus como Jahilton teria sido o responsável por entregar aos alunos uma apostila com 14 questões idênticas às do Enem. Segundo o MEC, as questões haviam sido aplicadas na escola de Fortaleza em outubro do ano passado, na fase de pré-testes do exame – quando são calibradas as dificuldades das perguntas. A Polícia Federal apura se um funcionário do colégio subornou um fiscal do pré-teste para obter cadernos de questões e tirar cópias.

A coincidência de questões fez o ministério cancelar a prova do Enem de 639 alunos do 3.º ano do Christus. Eles terão a opção de fazer uma nova prova nos dias 28 e 29 de novembro, mas sentem-se injustiçados pela decisão do MEC. Na tarde desta quinta-feira, o Ministério Público Federal no Ceará anunciou que vai mover ação civil pública pedindo o cancelamento do Enem em todo o País ou a anulação de 13 questões da prova aplicada no fim de semana.

Jahilton leciona no 3.º ano do ensino médio e no extensivo do Christus. Mensagens postadas por um aluno do colégio no Twitter na noite do sábado já falavam que a apostila entregue pelo professor antecipou 8 das 90 questões do primeiro dia de provas do Enem.

“O Christu mitou. Caiu 8 questões iguais do Enem que tava no nosso caderninho. Valeu Jahilton”, escreveu o estudante Gabriel Lobo em sua conta no Twitter (@Gabriiellobo). Minutos depois, em resposta ao usuário Elias Sales (@eliasandraade), afirmou: “(…) o colégio deu um caderninho, que caiu 8 questões iguais no ENEM de hoje. mudaram nenhuma vírgula.”

Ontem, dia 26, após a revelação da coincidência de questões pelo Estadão.edu, Gabriel postou, em resposta à Priscila Araújo (@pri_aes), também aluna do Christus: “(…) só quero ver o que o Jahilton vai far (sic) amanhã, ja que foi ele que entregou esses cadernos.”

Estadão.edu tentou contato com o estudante Gabriel Lobo no início da noite desta quinta-feira, mas não obteve resposta. Após a publicação desta matéria, a conta do aluno no Twitter foi apagada. Por telefone, também não encontrou o professor Jahilton na unidade do Christus Barão de Studart, na região da Aldeota, em Fortaleza. A reportagem esteve nesta e em outra unidade do colégio, a Nunes Valente, e não localizou o docente. / COLABOROU PAULO SALDAÑA, ENVIADO ESPECIAL A FORTALEZA – ESTADÃO

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade