ad16
AutoPECASonline24.pt
GeralTodas as Notícias

Famílias carentes esperam ajuda debaixo da passarela de Picos

Nos dias que antecedem o Natal é visível a quantidade de pessoas nas ruas pedindo esmolas e também “morando” embaixo da passarela da Av. Senador Helvídio Nunes de Barros. Nossa equipe conversou com algumas dessas pessoas carentes que costumam vir a Picos nos finais de ano esperando caridade da população local. Esse é o caso da senhora Maria Domingues da Silva, 45 anos. Ela disse ter chegado a cidade no dia 18, pretendendo permanecer aqui até o dia 25 de dezembro.

Maria Domingues informou ser natural do Ceará, mas reside em Timon – MA. Além da ajuda para se manter, ela informou que também precisa de recursos para comprar a passagem de volta para Timon. Apesar dos 45 anos que afirma ter, o seu aspecto faz aparentar que ela possui bem mais, beirando os 60 anos. Ela e as sete pessoas que a acompanham, dos quais quatro são seus filhos, estão abrigadas em barracos feitos de pano e galhos, armados na lateral direita da Av. Senador Helvídio Nunes de Barros, sentido Centro-Junco. Lá essas pessoas passam o dia e a noite, em meio ao calor, chuva, muriçocas.

Até o momento Maria Domingues informou que nem ela nem os demais sofreram qualquer perturbação por parte de pessoas mal-intencionadas. Até a Polícia Militar tem passado com frequência pelas imediações. Todos têm sobrevivido de pequenas doações. Esse é o terceiro ano consecutivo que ela se desloca a Picos por entender que esta é uma cidade de gente caridosa.

Do outro lado da avenida, mais dez pessoas estão passando a semana a espera de ajuda material dos picoenses. O senhor Francisco Batista disse ter recebido pequenas ajudas da população. Todos são originários de Marcolândia – PI e afirmaram que também permanecerão na cidade até o dia 25. Ele disse que não sofreu nenhuma perturbação ou manifestação de preconceito desde que chegou a Picos.

Ao longo dos anos tem sido comum a vinda de pessoas carentes para a cidade de Picos no período do Natal. Eles permanecem na cidade até o fim da festividade cristã e depois se retiram. Nunca houve registro de grandes distúrbios nas imediações da passarela, lugar onde geralmente ficam.

Folha Atual

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade