ad16
GeralTodas as Notícias

O que acontecerá com os 98 mil funcionários dos Correios após privatização?

Câmara aprovou na semana passada a privatização dos Correios e agora o projeto de lei (PL), que trata da venda da estatal, seguirá ao Senado Federal para apreciação. Mas o que acontecerá com os cerca de 98 mil funcionários da empresa pública? As informações são do UOL.

Se o projeto for aprovado pelos senadores, o texto vai à sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Caso haja mudança na redação do PL, uma nova votação será feita na Câmara antes de ir para a mesa do presidente.

A expectativa do governo federal é de fazer o leilão da estatal no primeiro semestre de 2022, caso o Congresso aprove a privatização.

O que ficou assegurado?

Pelo texto do PL 591/2021, os funcionários terão 18 meses de estabilidade, ou seja, será proibida a demissão sem justa causa nesse período, que começa após a confirmação da venda da empresa pública.

Nesse intervalo, os trabalhadores só podem ser demitidos se cometerem alguma falta grave. Após um ano e meio da desestatização da companhia, a empresa poderá realizar demissões sem justificativa.

“A demissão por justa causa só acontece se houver o descumprimento de uma das hipóteses previstas no artigo 482 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que vai justificar o motivo do término do contrato de trabalho”, diz Fabíola Marques, professora de direito da PUC-SP e sócia do Abud Marques Sociedade de Advogadas.

O advogado Camilo Onoda Caldas, sócio da Gomes, Almeida e Caldas Advocacia, afirma que os direitos serão mantidos.

“Caso haja a dispensa do funcionário estável, ele poderá ter direito a ser reintegrado ou então ser indenizado por período proporcional à estabilidade de que ainda dispunha”, afirma Caldas

“Contudo, pode haver negociações coletivas entre sindicato patronal e de empregados no qual algum direito existente seja alterado”, diz Caldas.

Como funcionam os contratos?

Os Correios fazem parte da administração pública indireta (empresas públicas, fundações, autarquias etc.) e seus trabalhadores são tidos como empregados públicos, por definição. Embora estatal, as regras trabalhistas da empresa são regidas pela CLT.

Os servidores da administração direta (União, estados, municípios e Distrito Federal), também chamados de funcionários públicos, possuem direitos definidos por leis específicas.

Veja o que acontece com empregados de empresa estatal que é privatizada:

Demissão sem justa causa

Depois dos 18 meses de estabilidade, caso venha a ser demitido sem uma motivação específica e por interesse da empresa, o trabalhador dos Correios teria direito a:

  • Aviso prévio
  • Salário dos dias trabalhados
  • 13º proporcional
  • Férias proporcionais
  • Férias vencidas
  • Saque do FGTS
  • Indenização sobre o FGTS
  • Seguro-desemprego

Demissão por justa causa

Se forem dispensados por justa causa, durante ou depois do período de estabilidade, os funcionários da empresa teriam direito apenas ao salário dos dias trabalhados e às férias, caso já estejam vencidas.

“Se o trabalhador não completou o período aquisitivo, ou seja, não trabalhou 12 meses, ou se já gozou as férias anteriormente, ele não terá direito a férias proporcionais se cometer falta grave”, diz Fabíola..

Motivos para justa causa

Segundo a CLT, configura razão para a rescisão do contrato de trabalho por justa causa pelo empregador, entre outros:

  • Ato de improbidade (prejuízo aos cofres públicos, por exemplo)
  • Negociação sem permissão
  • Condenação criminal
  • Violação de segredo da empresa
  • Indisciplina ou insubordinação
  • Abandono de emprego

PDV

A proposta de privatização dos Correios também determina que a empresa ofereça um Plano de Demissão Voluntária (PDV) aos empregados.

A professora de direito do trabalho da PUC diz que, normalmente, as empresas oferecem o PDV, e as verbas rescisórias ficam garantidas.

Segundo o PL aprovado na Câmara, o período de adesão ao plano será de 180 dias, contados da privatização. Ao aderir, os funcionário terão direito a:

  • Indenização correspondente a 12 meses de remuneração
  • Plano de saúde por um ano
  • Plano de requalificação profissional

“Plano de Demissão Incentivada (PDI) ou Plano de Demissão Voluntária (PDV) é uma forma de adequar o quadro de funcionários aos propósitos de seus dirigentes, algo que os Correios já vinham praticando em anos anteriores, mas que deve se intensificar”, afirma Caldas.

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade