ad16
SaúdeTodas as Notícias

Ouvidora-geral da OAB-PI que participou de evento em Picos é internada com suspeita de coronavírus

Ela decidiu fazer o alerta porque na semana passada participou de eventos em Picos, Floriano, Bom Jesus e São Raimundo Nonato.

A Ouvidora-Geral da Ordem dos Advogados do Brasil- seccional Piauí (OAB-PI), Élida Fabrícia Franklin, está internada em um hospital particular de Teresina com suspeita de COVID-19. A advogada teria contraído o novo coronavírus durante uma conferência nacional que ocorreu nos dias 5 e 6 de março em Fortaleza (CE). Uma  conselheira presente no  encontro testou positivo para a doença.

Élida, que está em um leito de isolamento do hospital, contou ao Cidadeverde.com que apresenta sintomas da doença, como tosse, dor de garganta, febre e falta de ar. Ela teve conhecimento que a conselheira do evento estava com coronavírus no sábado(14) à noite.

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

No domingo (15) a advogada Élida Fabrícia  resolveu ficar em isolamento e ontem (16) procurou atendimento médico, sendo indicada a internação. O resultado do exame que vai detectar se a paciente tem ou não a COVID-19 só ficará pronto em sete dias.

No hospital ela não recebe visitas e tem contato apenas com equipes médicas paramentadas. Em vídeo enviado com exclusividade ao Cidadeverde.com, a advogada conta que a sensação é de impotência porque não tem como saber quem está infectado ou não.

“A sensação é de impotência porque a gente nunca sabe onde esse vírus está. Não tive contato conscientemente com ninguém infectado.  Fica o alerta para a gente aprender que o perigo pode estar em qualquer lugar e a gente tem que se precaver mesmo.  Estou aguardando o resultado dos exames. Até agora não há nenhuma confirmação, mas minha primeira reação,  ao tomar conhecimento da possibilidade de contato com o vírus, foi buscar o isolamento primeiramente em domicílio e depois vir ao hospital em decorrência dos sintomas que estava sentindo”, relata a advogada.

Élida decidiu fazer o alerta porque na semana passada participou de eventos em Picos, Floriano, Bom Jesus e São Raimundo Nonato.

“Procurei avisar todo mundo que eu tive contato  para que a gente possa ter um resguardo maior, para que a gente possa redobrar as atenções ,evitar contato com outras  pessoas para que a gente possa conseguir quebrar a cadeia de transmissão desse vírus.  Eu nunca imaginei que pudesse entrar sob suspeita, pois não tinha nenhum fator que indicasse risco de contágio. Foi uma situação totalmente alheia à minha autodeterminação, pois sequer sabia que alguma colega participante da Conferência houvesse viajado para a Europa. Caso eu imaginasse qualquer possibilidade, jamais teria exposto outras pessoas ao risco”, ressalta Élida.

Do Cidade Verde

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui