ad16
DestaquesPolíticaTodas as Notícias

Padre Walmir Lima: Da vida sacerdotal ao comando da Prefeitura Municipal de Picos

Quem é José Walmir de Lima? Popularmente conhecido como padre Walmir Lima, 44 anos, é um homem que se iniciou sua vida no sacerdócio e agora assumirá o cargo mais importante do município de Picos – gerir a Prefeitura da cidade. O caçula de nove irmãos, é filho de Lino de Lima e de Maria Rita da Conceição. Formado em Teologia e Filosofia, com especialização pela PUC de Minas, atualmente cursa Direito na Faculdade R. Sá, em Picos.  A equipe do Portal RiachaoNet conversou com exclusividade com o padre Walmir Lima, onde o mesmo não teve “papas na língua” e falou sobre diversos assuntos: vida sacerdotal, início na política, confrontos políticos e outros assuntos.

Confira o que ele diz em um dos trechos  da entrevista sobre o tempo que passou a frente da Secretaria de Educação “não teria resistido a tudo o que resisti para permanecer ainda hoje de pé. Eu resisti a muitos confrontos, embates, e as vezes o meu silêncio questionado por muitos para mim é ainda uma maneira de estar hoje onde estou”, afirmou o Padre Walmir de Lima.

Se despertou sua curiosidade, continue a ler o restante da entrevista e conheça de fato quem é José Walmir de Lima.

IMG_5189

RiachaoNet: O início da sua vida sacerdotal?

Padre Walmir: Antes de me ordenar padre, eu fiz o meu estágio como diácono em Itainópolis, e atendendo também os municípios de Vera Mendes e Aroeiras do Itaim. Passei quase seis meses atendendo estas três cidades, e em 2004 me ordenei padre e assumi o cargo de padre formador do Seminário, e também fui coordenador Diocesano da Pastoral. Por muito tempo fui também do Coordenador da Caminhada da Paz [um dos maiores eventos religiosos de Picos].

Passados quatros anos a frente do Seminário, em 2008 eu assumo a Paróquia de São José Operário, no Bairro São José.  Foi a primeira paróquia que eu assumi. Fiquei a frente da Paróquia de São José Operário por três anos. Em 2011 acabei me afastando por contas eleições municipais, onde era pré-candidato e depois vice-prefeito de Picos.

RiachaoNet: Como foi o despertar pela vida sacerdotal? 

Padre Walmir: Eu não vou dizer que eu sempre tive vocação para o sacerdócio. A minha descoberta primeira não foi ser padre, mas militante nas questões sociais, desde as pastorais sociais, e movimentos de base. Sempre tive uma inserção na comunidade, percebendo as problemáticas e me indagando dobre certas posturas políticas e sociais. Estando a frente do Grupo de Jovens recebi o convite do padre Bezerra naquele ano [não soube precisamente a data] para participar e conhecer melhor o Seminário Menor, onde era formado os padres.

Em 1992, houve uma Campanha da Fraternidade “Juventude Caminho Aberto”, que chamava os jovens para a evangelização. Então o padre Bezerra observando minha dinâmica e meu trabalho junto a juventude me chamou para me aproximar mais da Paróquia e participar do Seminário. E com os 20 anos eu fiz a experiência no Seminário Menor e depois fui para Teresina. Neste mesmo ano faleceram meu pai e minha mãe, e foi um baque e quase desisti da vida sacerdotal.

Parece que Deus me coloca geralmente nos momentos certos [falou com firmeza], pois em 2004 quando estagiei no município de Itainópolis foi um momento bastante delicado, a cidade estava passando pelas enchentes, alagamentos na cidade, necessitando de uma presença mais social. Este foi um momento muito importante na minha vida não só como sacerdote, mas como ser humano mesmo, preocupado com as questões sociais. Neste período pouco atuei como sacerdote, as celebrações aconteciam era nos abrigos mesmo, distribuição de alimentos e colchonetes.

IMG_5192

RiachaoNet: O ingresso na vida política…

Padre Walmir: Ao perceber que a cidade de Picos estava numa situação de abandono, minha manifestação sacerdotal foi de atuar e cobrar melhorias para os bairros mais afetados, e daí me envolvo com o Movimento “Muda Picos”. A partir de então, veio as propostas de ingressar na política, e a princípio relutei  e não aceitei os convites. Mas depois me questionei se não seria de fato um chamado de Deus de servir diferente e servir melhor.    Foi quando me filiei ao PT  e encabecei a chapa do prefeito Kleber Eulálio(PMDB) e hoje estou como vice-prefeito, e assumi a Secretaria de Educação.

RiachaoNet: Enquanto padre, a sua marca foi o carisma, seu nome foi bastante aceito pelos fiéis. Você acredita  que esta aproximação com o povo fez com que seu nome chegasse forte nas eleições de Picos?

Padre Walmir: [iniciou a fala com expressividade] eu acredito que a pessoa do padre Walmir pode ter transmitido isto. O trabalho nunca foi provocado, e sempre eu tive a felicidade de que as pessoas confiassem em mim naquilo que eu assumia. Graças a Deus tudo o que me proponho a assumir, consigo dar conta e agir com honestidade e responsabilidade. E foi isto que levou a pesar muito na decisão das eleições daquele ano.

RiachaoNet: Você encabeçou o Movimento “Muda Picos” que foi uma aposta da população picoense. O mesmo foi bastante criticado na atual gestão por não ter promovido os ideais prometidos, como você avalia esta situação?

Padre Walmir: Eu [respirou], eu concordo realmente. O Movimento levou uma bandeira frente a mudança, e esta mudança aconteceu simplesmente de gestão na ocasião. Ainda eu como muitas pessoas vivemos esta esperança da mudança. O que eu digo hoje para as pessoas que se decepcionaram e investiram […] ninguém mais do que eu investiu  sua vida, eu investi o meu sacerdócio, eu investi meu nome. E não ter acontecido ainda esta mudança decepcionou não somente às outras pessoas, mas a mim também. No entanto, ainda estou na esperança de que esta mudança aconteça seja via o Movimento, ou seja por qualquer outras pessoas que virão.

 RiachaoNet: Esse espirito de esperança da mudança será forte na gestão do Padre Walmir?

Padre Walmir: Na minha pessoa  pessoa ela continua muito forte, e se não fosse este sentimento eu não teria resistido tudo o que resisti para permanecer estar ainda aqui hoje de pé. Eu resisti a muitos confrontos, embates, e as vezes o meu silêncio questionado por muitos para mim é ainda uma maneira de estar hoje onde estou.

RiachaoNet: Durante a gestão de Kleber Eulálio houveram várias especulações de que havia um confronto entre vocês dois. Isto aconteceu de fato?

Padre Walmir: Veja pelo que se passa na cabeça e no coração das pessoas é muito difícil a  gente poder afirmar. Se as atitudes revelam isto eu diria que da parte dele e eu sempre existiu um tratamento muito cordial. Acredito que entre pessoas ligadas a mim e a ele tenha demonstrado este confronto. Mas entre ele e eu sempre existiu um diálogo muito amistoso e cordial.

RiachaoNet: Como você avalia a sua gestão a frente da Secretaria de EDUCAÇÃO? O seu trabalho foi dificultado?

Padre Walmir: Eu sou suspeito em fazer esta avaliação [sorriu], mas eu diria que nós somos heróis pra ter chegado aonde nós chegamos hoje. A gente pode até imaginar que o nosso trabalho foi dificultado, mas não sei por quem [não quis revelar nomes], mas muitas vezes se sentiu esta impressão. Pode ser que alguém tenha imaginado fazer isto, para não dar tanta visibilidade à pessoa. Pode ser que não houve uma preocupação destas pessoas com o desenvolvimento da Educação, mas sim com a visibilidade que poderia dar a meu nome.

RiachaoNet: Você assumirá nos próximos dias um novo desafio – A Prefeitura de Picos, o que a população pode esperar da sua gestão?

Padre Walmir: Eu espero de mim  aquilo que eu posso fazer, eu só temo esperarem além do que eu possa fazer. As pessoas exigirem e não compreenderem além do que eu posso fazer. Mas a população pode esperar dedicação, assim como eu me dediquei à Educação, e assim como eu enfrentei muito em nome da Educação. O nosso objetivo será administrar, fiscalizar no sentindo das coisas serem feitas, fiscalizar as pessoas que estão a frente das pastas para verificarem se estão realizando o seu trabalho de fato. Procuraremos colocar no comando das secretarias pessoas técnicas, e quem vier fazer parte da nossa equipe vem sabendo que vem pra trabalhar.

IMG_5188

RiachaoNet: Você comandará a cidade num momento bem delicado, como você pretende contornar esta situação?

Padre Walmir: Nós temos a pretensão de buscar um parceria com o Estado, considerando que também passa por um momento de crise nas questões financeiras, uma crise que é nacional. Mas acredito também que é de interesse do próprio governador retomar as obras que estão paralisadas no município, e poder investir mais dentro do possível, e cobrando que as cosas tenham agilidade. Eu estarei exigindo qualidade e agilidade na realização destas obras.

RiachaoNet: Este seria um momento de situar o terreno,  como você tem organizado a sua base política e as relações com a oposição?

Padre Walmir: A gente observa que aquilo que não deu certo com o outro, nós procuramos corrigir. Neste momento temos conversado com as pessoas apresentando nossas propostas, fazendo um remanejamento na equipe, àqueles que precisam colaborar mais em outra posição. Vamos precisar dos vereadores sim, mas eu não digo que quero conquistar um grupo, e sim busco integrar a todos que estejam a favor não de mim, mas do município. Eu não quero que ninguém acoberte minhas limitações, e nem quem esteja ao meu lado concorde com tudo o que eu proponho. Eu tenho conversado com os partidos que elegeram a mim e o Kleber pra manter o mesmo diálogo, tenho a consciência que uma divisão interna pode dificultar uma administração.

RiachaoNet:A sua gestão agora na Prefeitura de Picos seria um ensaio para as próximas eleições municipais?

Padre Walmir: [sorriu] Veja esta afirmação de sim ou de não é o que eu vejo que compromete a administração, pois as pessoas nunca vão ver você simplesmente mais como um administrador, aquela pessoa que você pode confiar e acredita, sempre imaginará alguém fazendo política. Eu não vou dizer que serei candidato à reeleição, quem vai dizer é o meu trabalho.

RiachaoNet: Será um prefeito do povo? 

Padre Walmir: Quero ser [falou com firmeza], quero ser um prefeito do povo, não num populismo muitas vezes exagerado, mas um prefeito que tem normas, regras, que tem critérios. Muitas vezes  a gente acha que para ser um prefeito do povo é aquele que não tem regras, que tudo pode e que tudo é permitido, e isto não procuramos ser.

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Publicidade