ad16
AutoPECASonline24.pt
https://ead.uninta.edu.br/
Polícia

PM de Marcolândia recupera carreta roubada com mais de R$ 1 milhão em mercadorias

[ad#336×280]Policiais Militares de Marcolândia apreenderam na noite do último sábado (04), na BR 316, uma carreta que havia sido roubada na cidade de Passagem Franca, no Piauí. O veículo, da empresa Rapidão Cometa, transportava centenas TVs. A carga estava orçada em R$ 1.286.000, conforme nota fiscal apreendida.

A carreta era conduzida por Marcos Luís Santiago Gomes, de 36 anos, natural de São Paulo. Em depoimento à polícia, ele confessou que a carreta havia sido tomada de assalto com a ajuda de outros três comparsas.

A quadrilha sequestrou o motorista, identificado por Manuel Becker Roza Cardoso, 56 anos, na cidade de Passagem Franca, a 56 km de Teresina. A vítima foi amarrada e liberada horas depois na cidade de Jaicós, nas proximidades do posto Nossa Senhora das Mercês.

Caminhão roubado - Foto: Marcolândia em Foco
Caminhão roubado – Foto: Marcolândia em Foco

Após abandonar o refém, o assaltante que fugiu com a carga retornou para a cidade de Picos e seguiu rumo a BR 020, com destino a cidade de Fortaleza. O assaltante preso contou à polícia que recebeu uma ligação orientando seu retorno pela BR-316. A ordem foi atendida pelo motorista, mas a carga roubada não saiu do Piauí. A fuga foi abortada pela equipe da PM de Marcolândia,

Carga roubada
Carga roubada
Marcos Luís recebia R$ 5 mil por carga roubada - Foto: Piauí em Foco
Marcos Luís recebia R$ 5 mil por carga roubada – Foto: Piauí em Foco

A mercadoria havia saído da zona franca de Manaus, no Amazonas, com destino a Camaçari, na Bahia. O assaltante preso informou que recebia R$ 5 mil para conduzir cada carga roubada. Segundo apurou o Tenente Diassis, comandante do GPM, Marcos Luís Santiago Gomes e os comparsas estavam residindo na cidade de Araripina há mais de seis meses, de onde planejavam os assaltos.

Com informações do Marcolândia em Foco

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade