ad16
GeralTodas as Notícias

Senado aprova projeto que cria base de dados sobre violência contra mulher

As informações cadastradas na plataforma deverão incluir dados como local, data, hora, meio utilizado, descrição da agressão e tipo de violência.

Senadores aprovaram nesta quinta-feira (30) o projeto de lei que cria o registro unificado de dados e informações sobre violência contra as mulheres. Para entrar em vigor, o texto precisa apenas da sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

De acordo com a proposta, o banco deverá ser lançado pelo governo e conter os dados administrativos referentes ao tema, os serviços especializados de atendimento às mulheres em situação de violência e as políticas públicas de enfrentamento à violência contra pessoas do sexo feminino.

As informações cadastradas na plataforma deverão incluir dados como local, data, hora, meio utilizado, descrição da agressão e tipo de violência.

Serão registradas ainda informações da mulher agredida, como idade, raça/etnia, deficiência, renda, profissão, escolaridade, se mora em área rural ou urbana e relação com o agressor. As características do responsável pelo ato de violência também precisarão ser inseridas no sistema.

Além disso, o projeto prevê que o registro reúna a quantidade de medidas protetivas requeridas pelo Ministério Público e pela mulher agredida, assim como das concedidas pelo juiz e a quantidade de processos julgados, prazos de julgamento e sentenças proferidas.

A proposta começou a tramitar na Câmara em 2016 e estava parada no Senado desde março de 2020. Ela também institui a Política Nacional de Informações Estatísticas Relacionadas à Violência contra a Mulher (Pnainfo).

A execução da Pnainfo será acompanhada, em nível federal, por comitê coordenado pelo Poder Executivo com participação de representantes do Legislativo e Judiciário.

Estados e municípios poderão aderir à política por meio de cooperação federativa, que será regulamentada por outra lei. O projeto prevê que as despesas decorrentes da execução do banco de dados correrão por conta das dotações orçamentárias de cada órgão que aderir à Pnainfo.

Em 2020, o Brasil registrou a morte de 1.338 mulheres por sua condição de gênero, assassinatos praticados em sua maioria por companheiros, ex-companheiros ou pretensos companheiros.

Os dados consolidados do ano passado, que tiveram 10 de seus 12 meses sob o efeito da pandemia da Covid-19, foram colhidos pela Folha nas secretarias de Segurança Pública dos 26 estados e do Distrito Federal.

Em relação a 2019 houve uma alta de 2%, mas a violência contra as mulheres cresceu em níveis mais alarmantes no Centro-Oeste (14%) e no Norte (37%). Nordeste (+3) e Sudeste (-3) apresentaram pequenas variações. No Sul, houve queda de 14%.

Segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, o governo recebeu 105.671 denúncias de violência contra a mulher em 2020.

Os dados foram informados em coletiva que contou com a participação da ministra Damares Alves.

O número não pode ser comparado com a base de anos anteriores porque, segundo o ministério, houve uma mudança de metodologia que unificou as centrais de atendimento gratuitas Disque 100 e o Ligue 180, que recebem, respectivamente, denúncias de violações de direitos humanos e de violência contra a mulher.

Fonte: Folhapress 

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade