ad16
GeralTodas as Notícias

Intervenção precoce em crianças com autismo

Há evidências de que uma intervenção precoce específica leva a um melhor prognóstico.

Há evidências de que uma intervenção precoce específica leva a um melhor prognóstico. Portanto, a importância da intervenção precoce em crianças com autismo é fundamental, por isso vamos ajudá-lo a identificar sinais de alerta que indicam que seu filho está em risco.

A importância da intervenção precoce em crianças com autismo

Neuroplasticidade é a propriedade do cérebro de se adaptar aos estímulos que recebe por meio de mudanças em sua estrutura e função. É nos primeiros 4 a 5 anos de vida que a neuroplasticidade é mais elevada, diminuindo à medida que envelhecemos.

Como neste período da vida das crianças sua plasticidade neural é máxima e, portanto, sua capacidade de aprender também é enfatizada a importância da intervenção precoce para que a criança tenha oportunidades de praticar e aprender habilidades.

No caso de crianças com transtorno do espectro do autismo, elas terão a oportunidade de aprender habilidades de comunicação social e melhorar seu prognóstico.

Atualmente, existem estudos que se dedicam a identificar os efeitos da intervenção precoce em crianças com autismo. Eles mostram que 10% das crianças não cumprem os critérios de diagnóstico dentro do espectro do autismo.

Sinais de alerta para detectar se seu filho tem autismo

As seguintes bandeiras vermelhas podem indicar que nosso filho ou filha possui o transtorno do espectro do autismo.

  • Não faz contato visual.
  • A partir dos 6 meses, não mostra expressões de alegria, como sorrisos.
  • A partir dos 9 meses, eles não compartilham sons, sorrisos ou expressões faciais repetidamente.
  • Que não responda ao seu nome após 10 meses.
  • Após 12 meses, ele não balbucia, não faz gestos como apontar, mostrar algo, dizer olá ou tentar alcançar algo.
  • A partir dos 16 meses não diga palavras.
  • Após 24 meses, ele não formula frases de duas palavras, sem imitar ou repetir, como: “Eu quero água”.
  • Em qualquer idade, qualquer perda de fala ou balbucio. Falta de habilidades sociais.

Se algum desses sinais ocorrer em seu filho, é aconselhável ir ao pediatra, neurologista infantil ou psiquiatra infantil para avaliação profissional. A intervenção precoce em crianças com autismo é muito importante!

Avaliação diagnóstica

Inicialmente, uma avaliação deve ser realizada com uma equipe interdisciplinar. O ideal é que participem diferentes profissionais de especialidades como neurologia ou psiquiatria, fonoaudiologia, terapia ocupacional, psicologia, etc.

5 etapas necessárias para o diagnóstico de autismo

Muitas pessoas se preocupam com o processo necessário para fazer um diagnóstico adequado de autismo.

Lembre-se de que o autismo não é visualizado por uma cor ou forma, nem é possível diagnosticá-lo por meio de um teste de laboratório ou algo parecido. O autismo é diagnosticado pela observação de vários cenários onde a pessoa se desenvolve, desde a vida cotidiana, como em casa ou na escola, até o comportamento com outras crianças ou jovens da mesma idade ou mais velhos.

1. Entrevista detalhada com os pais

Neste processo de entrevista é muito importante conhecer os sintomas do autismo. As perguntas mais apropriadas devem ser investigadas e feitas para compreender os detalhes do comportamento da criança.

Buscamos aqui reunir o máximo de informações possível sobre a criança. Como foi o parto? Como foram os primeiros meses de vida? Como se desenvolve nos aspectos pessoais, sociais, motores e de linguagem? A conversa com os pais ajudará a compreender seu comportamento e, assim, associá-lo aos sintomas do autismo. Deve ser consultado sobre situações importantes que chamaram a atenção dos pais ou familiares, por exemplo, em aniversários ou eventos familiares.

2. Reúna fotos e / ou vídeos da criança

Fotos ou vídeos de eventos sociais ajudarão o profissional a visualizar seu comportamento em situações de ruído, estresse, multidões, etc. Esses eventos podem ser festas familiares, atividades escolares ou momentos com a própria família.

3. Avaliação multidisciplinar

É importante ter o testemunho de profissionais que já trabalharam com a criança. Eles podem ser terapeutas ou não terapeutas, como professores ou cuidadores. Isso permitirá uma melhor compreensão de como a criança se encontra em vários contextos de sua vida. Fornece informações detalhadas que os pais muitas vezes desconhecem ou omitem inadvertidamente.

O referido depoimento geralmente é feito por meio de relatos do profissional que atende ou trabalhou com a criança ou de questionários enviados pelo examinador aos profissionais.

4. Use escalas de avaliação estruturadas

Essas escalas são aplicadas como um teste padronizado que permite ao profissional obter um resultado mais objetivo sobre determinadas áreas do comportamento da criança. Além disso, eles ajudam a consolidar informações que os pais ou responsáveis ​​geralmente não conseguem detalhar. Permite ter esta informação disponível a todo o momento e sem depender da nossa memória.

5. Dados de história da família

Os pais devem ser consultados se houver outros casos de autismo na família. Se houver casos na família, o fator de risco de uma criança ter autismo aumenta. Além disso, mães que tiveram filhos com mais de 40 anos têm maior risco de ter filhos com transtorno do espectro do autismo.

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade