ad16
DestaquesPolíciaTodas as Notícias

Mesmo réu de homicídio, advogado picoense só tem registro suspenso na OAB após casos de estupros; por apenas 3 meses

A OAB-PI suspendeu o exercício profissional do advogado por 90 dias, após a denúncia de estupro em Teresina.

Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Piauí, anunciou nesta sexta-feira (16), asuspensão preventiva do exercício profissional do Advogado Jefferson Moura Costa, por 90 dias, após ter sido denunciado por estupro em Teresina. O acusado foi encaminhado para o Presídio da cidade de Altos nesta quinta após sua prisão ter sido decretada pelo juiz Markus Calado Schultz, da Central de Inquéritos.

A decisão da OAB-PI será submetida à análise do Conselho Pleno da Seccional e do Tribunal de Ética e Disciplina (TED), aplicável imediatamente a partir de hoje.

“A OAB Piauí repudia veementemente a conduta praticada pelo Advogado Jefferson Moura Costa e, por isto, dada a urgência do caso, estou suspendendo a sua atividade profissional por 90 dias, preventivamente, e requisitando informações às autoridades policiais e judiciárias, diante de várias denúncias que estamos recebendo dos crimes praticados por esse Advogado”, explicou o presidente da OAB Piauí, Celso Barros Coelho Neto, em comunicado. 

Celso Barros destacou ainda que a Seccional não admitirá qualquer tipo de conduta criminosa contra os direitos das mulheres. “Ainda mais nesses casos específicos que são gravíssimos, não podemos admitir e temos que agir imediatamente, por isso, tomamos essa medida”, garantiu.

Além disso, a OAB informou que o TED da instituição já está apurando as condutas do Advogado, porém os processos do Tribunal são sigilosos, não podendo ser dadas mais informações sobre os andamentos. 

Mais vítimas

Ainda ontem, cerca de quatro mulheres denunciaram o acusado de estupro. A delegada Vilma Alves, titular da Delegacia da Mulher, declarou que recebeu mais duas denúncias e outras duas jovens informaram que também irão até a delegacia.

Advogado picoense Jefferson Moura Costa – Imagem: redes sociais (reprodução Meio Norte)

A segunda vítima é uma empresária, dona de uma loja de produtos naturais. O crime teria ocorrido no mês de dezembro de 2020. Os dois se conheceram na igreja e ele realizou a compra de produtos com ela. Ela foi deixar a compra no seu apartamento, o acusado a recebeu, pagou o produto e tentou agarrá-la e beijá-la a força. A empresária conseguiu fugir e saiu correndo.

Meio Norte

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade