ad16
GeralPolíticaTodas as Notícias

Nerinho seguirá Elmano e João Vicente em debandada do PTB

Deputado Nerinho
Deputado Nerinho

O deputado estadual Nerinho decidiu que vai deixar o PTB, caso o senador Elmano Férrer e o ex-senador João Vicente Claudino realmente troquem de partido. Os dois foram convidados para integrarem o PL, partido que está em processo de recriação. Os petebistas estão insatisfeitos com a direção nacional do partido que, até agora, não definiu apoio a presidente Dilma Rousseff.

“O senador João Vicente nunca escondeu de ninguém que não se sentia confortável com a liderança do PTB. Dos 25 deputados federais, 23 apoiaram Dilma e o PTB oficialmente não faz parte da base, apesar dos 23 deputados apoiarem. Isso é constrangedor e não deixa João Vicente a vontade. Assim também o Elmano. Precisamos saber o que vai acontecer. Toda mudança é traumática. Vamos parar, analisar, e ver o rumo que o partido vai tomar. Eu só quero dizer que acompanho meu chefe (João Vicente)”, frisou.

Saindo ou não do PTB, Nerinho garante que assumirá a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado, pasta que ele diz ter escolhido dentre as opções postas pelo governador Wellington Dias ao seu partido. “O governador enumerou uma série de secretarias e cheguei pra ele e pedi a de Desenvolvimento Econômico, já que o ministro da pasta é do PTB, o Armando Monteiro. É uma coisa que facilita muito. O João Vicente tem um entrosamento muito grande com o ministro, assim como o senador Elmano Férrer”, explica.

A posse, de acordo com o futuro secretário, será discutida amanhã em viagem ao município de Aroazes. “Eu não tive ainda uma conversa com o governador, devo viajar com ele amanhã para a cidade de Aroazes. O município está em festejo e o governador fará algumas inaugurações e nessa viagem nós vamos saber a real, se a posse será coletiva com os estaduais e federais. O que nós sabemos é que os federais só poderiam assumir após o dia 5. Quanto aos estaduais, não tem nenhum problema”, diz o deputado, que afirma ter ido à secretaria apenas 4 vezes.

“Eu fui à secretaria quatro vezes, de fato quem é o secretário é o Francisco das Chagas e está conduzindo bem os trabalhos. Estou indo para não chegar cru e saber como tudo está andando. O secretário hoje, de fato, está em Brasília tendo reuniões com o ministro”, ressalta.

Piauí não pode ser só balcão de emprego

Apesar de ainda não ser o gestor oficial da pasta, Nerinho já tem discurso forte sobre investimentos no estado. Acredita que o Piauí não pode mais servir apenas de balcão de emprego e que o estado está pronto para receber novas empresas. “Hoje nós temos a Transnordestina, que já é uma realidade no Piauí, temos estradas de qualidade. O Piauí é um dos estados que tem a melhor rede rodoviária. Vamos ter agora através da Casa dos Ventos energia para poder suprir todas as demandas não só do Piauí, como exportar. Precisamos desburocratizar as questões. Só incentivo hoje não adiante mais, a empresa tem que saber a estrutura da logística, qual é a tendência daquela região e saber o que pode tirar de aproveitamento”, destaca.

Para o petebista, o Piauí precisa mostrar mais a sua boa imagem para atrair grandes empresas. Estamos preparados para termos grandes empresas. Hoje, o entorno de Fortaleza não abriga mais uma empresa e o Piauí está pronto, aberto pra isso. O Piauí não pode ser só balcão de emprego. Quando uma empresa for se instalar hoje, temos que deixar a coisa amarrada. Vai ter incentivo? Vai. Mas, temos que saber o que será instalado e o que vão oferecer”, afirma.

A vinda da Suzano

A batalha com o Maranhão por indústrias da Suzano ainda não terminou. O Piauí perdeu para o vizinho estado uma fábrica já propagada que se instalaria em terras piauienses, agora o governo tenta dar o troco.  “O governador teve uma audiência ontem com o pessoal da Suzano. A instalação das indústrias da Suzano é por etapas. A da fase 1, que era para ter vindo pra cá, foi para o Maranhão e a da fase 2, que o Maranhão quer que fique lá, vamos tentar trazer”, declarou.

Robert será apenas o presidente da CCJ

Pego de surpresa com a indicação do deputado estadual Robert Rios (PDT) para presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, Nerinho é taxativo ao afirmar que o colega exercerá apenas um cargo. “A presidência das comissões é importante para qualquer governo, só que, acima da presidência, é importante ter a maioria na comissão. Qual é a função do presidente? Distribuir o processo para o relator e colocar para votar. Quem vai decidir se é constitucional ou não são os membros da comissão. Se a base do governo ficar com a maioria não terá problema algum. O deputado Robert  Rios não vai querer assassinar o Piauí, estrangular o estado. Os membros da comissão é quem votam e são pessoas preparadas. Agora, nas matérias polêmicas é que há a necessidade de ter a maioria”, finaliza.

Cidade Verde

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade