ad16
GeralPolícia

Caso Emídio Reis: Advogado diz que depoimento de Joaquim Pereira é inconstitucional

[ad#336×280]O advogado Joaquim Cipriano, que defende dois dos presos na Operação Mandacaru, afirmou que o depoimento de Joaquim Pereira Neto foi colhido sob tortura. À polícia, Joaquim disse que o atual prefeito de São Julião, Francisco José de Sousa, o Zé Neci (PT), tinha conhecimento do plano para matar o ex-vereador Emídio Reis.

“Vamos contestar todas as informações que meu cliente deu em depoimento porque foi inconstitucional, foi colhido sob tortura, com saco plástico na cabeça. Tudo que ele disse tem que ser revisto. Foi negado a ele, inclusive, o direito de prestar depoimento acompanhado do advogado. Quando soubemos de tudo, ele já havia passado pela situação”, explicou Cipriano.

O advogado acrescentou que Joaquim Pereira não ocupa cargos políticos na cidade de São Julião e que sofre de problemas mentais. “Ele é um aposentado, ninguém, nem mesmo nós, os advogados, sabemos do que ele está sendo acusado”, disse.

Joaquim Rocha Cipriano
Advogado Joaquim Rocha Cipriano – Foto: Chico Silva

Além de Joaquim Pereira, Cipriano também defende o vice-prefeito de São Julião, Francimar Pereira, que é acusado de ser o autor intelectual do crime.

Ampliada às 15h15

Em entrevista ao Jornal do Piauí, Joaquim Cipriano afirmou que a tortura durou 15 horas e ocorreu numa estrada vicinal entre São Julião e Joaquim Pires, nas dependências da delegacia desta cidade e nas dependências da Greco, quando Joaquim foi transferido para Teresina.

“O depoimento foi tomado após sessão de tortura de mais de 15 horas. Joaquim foi preso por volta das 06h em São Julião. Os presos foram trazidos para cá. Joaquim sumiu simplesmente. Tentamos localizar e quando localizamos já era 19h. De lá ainda, Luccy Keyko proibiu a presença dos advogados. A tortura foi antes do depoimento. Quando ele foi pego em São Julião levaram para Jaicós em uma estrada vicinal e lá chutaram ele. Quando chegou na delegacia, botaram dentro de uma sala com oito policiais algemado os pés e as mãos e saco plástico na cabeça e amarrava um cordão e diziam para ele contar. Ele sem admitir trouxeram para Teresina. Levaram para a Greco e a mesma coisa. Confissão através de tortura é fácil. Quem está sendo torturado diz o que fez e o que não fez”, relatou o advogado.

Fonte : cidadeverde

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade