ad16
EducaçãoGeralTodas as Notícias

Corte no Sistema S ameaça sobrevivência de pequenas empresas

Segundo presidente do Sebrae-SP, proposta de ministro pode deixar 300 mil sem atendimento

Da Folha de São Paulo
São Paulo – SP

Novo presidente do Sebrae-SP, Tirso Meirelles, 54, diz que o corte proposto pelo ministro da Fazenda, Paulo Guedes, nos recursos do Sistema S representará uma ruptura significativa nas atividades da entidade, “com impacto direto na sobrevivência dos pequenos negócios”.

A ameaça de redução das verbas foi feita por Guedes ainda antes da posse do presidente Jair Bolsonaro.
“Tem de meter a faca no Sistema S”, disse o ministro, sobre as nove instituições voltadas à formação profissional em suas respectivas áreas de atuação.

O novo empreendimento do Sesc foi construído numa área de 10 mil m², contendo dois blocos

O Sebrae é responsável pela capacitação e apoio aos pequenos negócios. Em 2018, em São Paulo, o orçamento foi de cerca de R$ 400 milhões.

A maior parte dos recursos provém das contribuições que as empresas pagam sobre a folha de pagamento. A receita própria, obtida com a comercialização de produtos e serviços, ficou em R$ 20 milhões.

Guedes afirmou que o corte será entre 30% e 50%. Para o presidente do Sebrae-SP, uma redução de 30% significaria que 300 mil empresas não seriam mais atendidas pela entidade.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que é necessário “meter a faca no Sistema S”. O que o sr. achou dessa declaração?

A contribuição do Sistema S para o aumento da produtividade, da competitividade e da geração de empregos e de empreendimentos mais saudáveis, em todos os elos das cadeias produtivas, é significativa.

Certamente o ministro, que reiterou que não quer destruir o que funciona, fez com essa declaração uma sinalização da austeridade que vai pontuar sua gestão.

Ele contará com todos nós, representantes da sociedade civil, para encontrar caminhos que conduzam para a melhoria do ambiente para empreender.

Guedes chegou a dizer que esse corte pode ser de até 50%. O que isso afetaria, na prática, nas atividades do Sebrae?

O corte proposto, independentemente do percentual, representará uma ruptura significativa nas atividades do Sebrae, com impacto direto e imediato no tamanho de nossa operação e, por consequência, na quantidade e na qualidade de atendimentos e na sobrevivência dos pequenos negócios.

Com um corte de 30%, 300 mil clientes deixariam de ser atendidos, quase 60 mil alunos do ensino fundamental deixariam de ter acesso a lições de cultura empreendedora e cerca de 65 postos municipais seriam fechados.

Por que o sr. diz que o corte afetaria a sobrevivência dos pequenos negócios?

O Sebrae atende a um público que é um dos pilares estratégicos de desenvolvimento socioeconômico do Brasil por sua forte atuação na geração de emprego e distribuição de renda.

Existem hoje 13,8 milhões de microempreendedores individuais (MEIs), micro e pequenas empresas, responsáveis por ocupação de 43,6 milhões de brasileiros e pela geração de 27% do PIB [Produto Interno Bruto].

Apesar dessa importância, sozinhos ainda enfrentam muitas dificuldades. Precisam de apoio para melhoria da gestão e da produção e de um ambiente favorável para se manter em atividade e se tornarem competitivos.

A sobrevivência dos pequenos negócios está diretamente relacionada a algum tipo de tratamento diferenciado.

Para quem está no Simples, a taxa de mortalidade é de 17% nos dois primeiros anos de atividade. Para os não optantes, a taxa sobe para 62%.

Que outros programas do Sebrae seriam afetados?

Outro programa que deverá sentir forte impacto é o de startups.

Algo drástico, num momento em que são essas empresas que têm maior potencial de alavancar novas tecnologias, captar recursos e colocar o Brasil em rankings de prestígio na comunidade internacional de inovação.

Mas a conta é mais complexa. Como o orçamento de 2019 foi todo contingenciado em outubro, caso o corte chegue ainda neste ano, vai representar muito mais do que os 30% ou 50% anunciados.
Teremos de desestruturar programas e projetos importantes.

O governo subestima a importância do Sistema S?

É uma questão de tempo para que os novos governantes e legisladores —nos âmbitos nacional e estadual— conheçam mais detalhadamente o trabalho, os resultados e o impacto das atividades do Sistema S no comércio, na indústria e no agronegócio.

Por isso, somos favoráveis ao diálogo franco, objetivo e claro, que ajude a construir soluções de aprimoramento do sistema.

Estamos numa nova fase, em nível mundial e local, que não pode prescindir de uma rede já qualificada em capacitação e consultoria de excelência.

Por que começar do zero, se podemos redefinir metas, ajustar o que for necessário e seguir contribuindo para o desenvolvimento perene do Brasil?

Se houvesse uma redução na contribuição das empresas, o valor seria revertido para a criação de empregos, como acredita o governo?

Como empresário, acredito que a criação de empregos ocorre à medida que se encontre um ambiente mais propício à sua atividade, simplificando, por exemplo, processos burocráticos que consomem muito tempo do empresário.

Hoje, um empresário perde incríveis 81,5 dias do ano em esforço e recursos com uma papelada sem fim.

No Sebrae, ao melhorar a gestão dos pequenos negócios, estamos fortalecendo e tornando competitivos um dos principais pilares da geração de emprego.

O Sistema S precisa de ajustes? Há desperdício?

A questão de ajuste de operação e controle do Sebrae está presente em nossa cultura.

As estratégias de atuação, planejamento e monitoramento foram se adequando às transformações que pontuaram os últimos 40 anos —globalização e abertura de mercados, crises econômicas, novas formas de consumir e novos consumidores.

Vamos continuar aprimorando nossos processos, produtos e serviços, investindo recursos onde for preciso, sem desperdícios, para garantir aos clientes a melhoria de sua competitividade.

Auditoria do TCU (Tribunal de Contas da União) apontou que o salário diretores do Sistema S chega a ser duas vezes maior que o salário mais alto para a mesma função no mercado de trabalho. É assim?

Nossa política de remuneração segue os princípios norteadores do sistema Sebrae Nacional, que já recebeu os pareceres da auditoria do TCU e está estudando as recomendações que ali constam.

O presidente do Conselho Deliberativo e os demais conselheiros são voluntários, não sendo remunerados de nenhuma forma em suas atividades.

Quantas pessoas o Sebrae-SP atende por ano?

Em 2018, foram mais de 2,5 milhões de atendimentos a quase 1 milhão de microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas e empreendedores potenciais.

O Estado [de São Paulo] concentra cerca de 4 milhões de pequenos negócios. Atingimos um terço do total de empreendimentos do país. Além disso, mais de 2 milhões de empreendedores receberam consultoria e capacitação em gestão de negócios.

Estamos em mais de 250 municípios, com 33 escritórios regionais, 218 postos de atendimento e 23 unidades móveis.

Tags

Leia Também

Publicidade