ad16
AutoPECASonline24.pt
GeralTodas as Notícias

TST declara que greve é ilegal e Correios voltam a funcionar

[ad#336×280]Em greve há 43 dias, os trabalhadores dos Correios no Piauí decidiram durante assembleia nesta quinta-feira (13) acatar a decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e retornam as atividades normais às 0h desta sexta-feira (14). Segundo o vice-presidente do sindicato da categoria no estado, Antônio Duarte, cerca de 70% da área operacional estava parada e mais de dois milhões de correspondências deixaram de ser entregues durante o período grevista.

“O TST julgou abusivo o movimento que começou em janeiro deste ano e determinou a multa de R$ 20 mil reais por dia, em caso de desobediência. Serão descontados 15 dias não trabalhados na folha de pagamento de abril e outros 27 dias serão compensados em banco de horas”, explicou o vice-presidente.

Greve dos correios - Foto: Divulgação
Greve dos correios – Foto: Divulgação

Para o Antônio Duarte, a principal reivindicação dos servidores é com relação ao plano de saúde, o ‘Postal Saúde’, que segundo a categoria será privatizado. No entanto, o TST entendeu que os Correios não estão descumprindo o acordo vigente entre a empresa e a categoria.

“Apesar da decisão do Tribunal, vamos aguardar o julgamento da ação que trata sobre o convênio médico. O novo plano de saúde foi privatizado e já começou a alterar as condições dos trabalhadores, que passaram de beneficiários para associados, tendo a partir de agora obrigações financeiras para manter o funcionamento do serviço”, lembrou.

A diretora regional dos Correios, Joana D’Arc, negou a privatização do plano de saúde e explicou que a única mudança feita foi na administração do convênio. “Antes ele era feita pelo setor de Recursos Humanos da empresa e agora o serviço passou a ser executado por uma instituição vinculada aos Correios, não se desligando do ECT. Tirando isso, todos os direitos de associados e dependentes continuam a funcionar da mesma forma”, destacou.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade