ad16
DestaquesGeralPolíciaTodas as Notícias

Caso Pitoco: Polícia conclui inquérito

A Polícia Civil de Picos concluiu o inquérito que investigava o homicídio de Francisco de Assis Amorim, vulgo Pitoco, assassinado à tiros no dia 29 de junho de 2014, em frente ao Estádio Helvídio Nunes, no bairro Canto da Várzea. O caso teve seu desfecho com a prisão dos acusados,Francisco Helio Ferreira Ibiapino,e José Valmir de Menezes, apontados como autores do crime segundo provas testemunhais.

O delegado do 3º Distrito Policial, Madson Oliveira, esclarece que a motivação do crime seria que a vítima [Pitoco], teria subtraído um cofre de moedas de Francisco Ibiapino. “Nós tivemos esta conclusão também a partir do depoimento de testemunhas, que relataram que o senhor Francisco Hélio estaria procurando pessoas para matar Francisco de Assis Amorim. Inclusive uma relata [ a testemunha] que no dia do crime Francisco Hélio e Valmir teriam passado em sua residência em busca do Pitoco”, explica Madson Oliveira.

Pitoco foi assassinado em frente ao Estádio Helvídio Nunes de Barros - Foto: Reprodução
Pitoco foi assassinado em frente ao Estádio Helvídio Nunes de Barros – Foto: Reprodução

Uma das testemunhas que não teve a identidade revelada teria esclarecido em depoimento que o acusado Francisco Helio horas antes do crime teria passado em sua residência, e o convidado a matar a vítima. O mesmo teria se negado por ser amigo de Pitoco.

Em se tratando da participação dos acusados no crime, Francisco Helio Ferreira Ibiapino é identificado como o suposto autor dos disparos, e José Valmir Menezes teria ficado na motocicleta para em seguida empreender fuga do local.

Francisco Helio se encontra preso no Presídio José de Deus Barros e  deve responder além do crime de homicídio, por tráfico de drogas já que em sua residência foi encontrado um caderno com o nome de indivíduos que possuem relação com o tráfico de drogas na cidade.

Prisões

Policiais civis prenderam Francisco Helio Ferreira Ibiapino, que é mais conhecido como ‘Helinho’, no bairro Paroquial. O pedido de prisão temporária foi cumprido no dia 27 de março do corrente ano. As investigações chegaram ao nome dele após testemunhas terem apontado, em depoimentos, que o acusado na companhia de um comparsa cometeu o assassinato. Enquanto José Valmir de Menezes foi preso no município de Oeiras, onde já respondia por outro crime.

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade