ad16
DestaquesTodas as Notícias

Potó libera substância que pode causar queimaduras de até terceiro grau

São inúmeras as mitologias por trás do pequeno inseto. Boa parte da população também acredita que a queimadura provocada pelo potó ocorre em detrimento de sua urina.

“Dizem que quando somos ‘mijados’ por um potó não morremos mais esse ano”. Foi o que disse Nazeré Fontenele, moradora da zona Norte de Teresina ao OitoMeia. São inúmeras as mitologias por trás do pequeno inseto. Boa parte da população também acredita que a queimadura provocada pelo potó ocorre em detrimento de sua urina.

Tal informação foi desmentida pelo dermatologista Thales Bastos. “Na verdade, o que provoca a queimadura na pele é a hemolinfa, um fluido que tem as mesmas funções que o sangue dos vertebrados.” corrigiu.

“O potó guarda na cauda uma substância caustica que é extremamente irritante à pele. Essa substância é liberada pelo inseto quando ele é esmagado ou agredido”, explicou o dermatologista Lauro Soares Lopes a reportagem. Em contato com a pele, essa substância vai causar um processo chamado de dermatite, que provoca inflamação intensa da pele. É por esse motivo que a queimadura de potó se assemelha a uma queimadura por fogo ou por produto químico.

Queimadura de Potó/ Potó (Foto: Reprodução)

COMO A QUEIMADURA DE POTÓ ACONTECE?

“O potó gosta de ambientes quentes e úmidos, então ele irá preferir regiões do corpo de grandes dobras”, ressaltou o dermatologista. Ainda de acordo com Lauro, as axilas, pescoço, virilhas, dobras dos braços e pernas são as partes do corpo atingidas em maior número pelo pequeno inseto.

As queimaduras geralmente ocorrem à noite, principalmente nas partes que ficam descobertas durante o sono. “Isso ocorre porque o inseto se instala próximo as luzes brancas das residências e quando o indivíduo as apaga para dormir, ele desce a procura de locais quentes, e nesses ambientes quentes estão as dobras do ser humano”, explica.

Sob o corpo, o potó começa a se locomover sob a pele e por reflexo, a reação das pessoas é esmagar o pequeno. É nesse momento que o potó libera a substância acida que recebe o nome de hemolinfa.

COMO PREVENIR A QUEIMADURA DE POTÓ?

A precaução principal deve ser ao entardecer, alerta Lauro. “É recomendável o uso de telas anti-mosquito ou em outros casos que a população mantenha portas e janelas fechadas no final da tarde, isso evitará a entrada do inseto nas residências.” diz. Também é importante preferir lâmpadas amarelas as brancas, além sempre verificar colchas, lençóis e travesseiros ao deitar.

“Para evitar o contato com o potó durante a noite é recomendável o uso do ar-condicionado e de repelentes, principalmente em quartos de crianças, pois são mais sensíveis as queimaduras.”

Como evitar ser contaminado pela substância liberada pelo potó? Segundo o dermatologista, o inseto não deve ser esmagado. Outra alternativa é espantá-lo com um objeto e então posteriormente matá-lo.

APÓS A QUEIMADURA

Se mesmo com todas precauções tomadas a queimadura de potó ainda ocorrer, as medida inciais são lavar o ferimento com água e sabão e posteriormente fazer o uso de uma compressa com água fria no local.

Se não tratada corretamente a queimadura de Potó pode resultar em uma infecção secundária. “Nesses casos, a pessoa deve procurar o uso de medicamentos, entre eles estão o uso dos os corticosteroides de uso tópico (cremes, loções, géis e pomadas).” declarou o médico. “Em lesões onde há o aparecimento de bolhas, o uso de adstringentes ou do sulfato de prata para cicatrização serão necessários”, completou Lauro.

Os dermatologistas também criticaram o uso de medicamentos caseiros. “O uso de substâncias como pasta de dente e álcool ou maizena apenas irritam mais ainda a pele”. Segundo o médico, esses materiais podem agravar o grau das lesões e acabar deixando sequelas na pele, como manchas residuais e cicatrizes.

Em Teresina, nos meses de maio e junho, a população de insetos se multiplica consequentemente e uma infestação é desencadeada. Os principais sintomas após a queimadura são vermelhidão, mucosa, ardor e bolhas.

Fonte: Paula Sampaio/OitoMeia 

Etiquetas
Botão Voltar ao topo
Fechar
Publicidade