ad16
DestaquesItainópolisMunicípiosTodas as Notícias

Aniversário de Itainópolis é marcado por protesto em prol de asfalto

Os proprietários de transportes alternativos de Itainópolis, Vera Mendes e Isaías Coelho mais uma vez paralisaram suas frotas em protesto contra as péssimas condições da PI 245, no trecho que liga Itainópolis a Picos. Na manhã desta quinta-feira, 01 de junho, aniversário de Itainópolis, em vez de irem a Picos, os perueiros seguiram em carreata do Mercado Público Municipal até o Tamburil II, onde realizaram um ato no qual reivindicavam ao governador Wellington Dias, do PT, a recuperação da rodovia.

O proprietário de vans Neto Crispim lamentou ter que sacrificar um dia de trabalho para fazer reivindicação, sendo que o transporte de passageiro é a sua fonte de renda. “Senhor governador, não é fácil parar um dia de serviço. E duas viagens por dia numa buraqueira dessa, não dá para suportar. Os carros se quebram. (…) O meu apelo ao senhor governador é que ele faça essa estrada o mais rápido possível.” Neto ainda diz que nem era para eles estar fazendo essas reivindicações, pois isso é uma atribuição do prefeito e de outros políticos, que representam o povo. “Estamos aqui fazendo o papel que vocês deveriam estar fazendo”, conclui Neto, dirigindo-se aos políticos itainopolenses.

 

Aniversário de Itainópolis é marcado por protesto em prol de asfalto- Foto: Portal O Dia 

O cobrador Edvan também fez uso da palavra. “Nós tínhamos promessa para nossa cidade, tínhamos promessa para nossa estrada, mas até agora não aconteceu. Sabe por quê? Porque o compromisso está faltando, a responsabilidade está faltando. Todos os dias a gente anda nessa estrada esburacada, correndo risco de sofrer uma colisão com outro carro. (…) Uma estrada dessa daqui é caminho de morte, de colisão, de acidente, de carro quebrado.”

Presidente da Associação de Agricultores – MPA, Afonso Galvão disse que quase não anda em Itainópolis, mas quando precisou vir, teve prejuízo. “Nas duas vezes que vim, o carro quebrou. E fico imaginando vocês, que rodam diariamente.”

Também se associaram aos donos das vans comerciantes, populares e representantes do Poder Legislativo, tanto da situação quanto da oposição, apesar de que a manifestação não era partidária.

A comerciante Estelita Aguiar disse que não é fácil para ela ir duas vezes por semana a Picos numa estrada tão esburacada. “Precisamos urgentemente de uma melhoria para nosso município nesse asfalto. Então, vai aqui o meu apelo ao governador Wellington Dias: seja nosso amigo, Wellington Dias; veja os nossos problemas, o nosso sacrifício.”

Gerente de uma loja de móveis em Itainópolis, Edileusa Borges também fez seu desabafo: “Não é fácil a gente se deslocar em duas horas, praticamente, para chegar a Picos. Na situação que está essa estrada, eu tenho certeza que o nosso governador vem para Itainópolis é de helicóptero.” Edilusa conta que, por várias vezes, teve que desistir de ir a Picos por conta do asfalto ruim. Ela disse ainda que quem antes saía de Itainópolis às 5h30 agora está tendo que sair às 4h00 da madrugada.

 

Oriundos de diversos lugares, os motoristas que passavam pelo local do protesto aplaudiam e parabenizavam a iniciativa dos manifestantes. Estes, ordeiramente, fizeram suas reivindicações discursando, levantando cartazes, soltando fogos e soprando apitos.

Vindo de Nova Olinda, Ceará, com destino a São João do Piauí, o motorista Carlinhos se queixa desse trecho de seu itinerário. “A rodovia mais ruim que eu vi foi essa. A gente estraga amortecedor e tudo no carro, e ainda arrisca a vida.”

Fábio Jean trabalha numa editora em Teresina. Ele saiu da capital piauiense, também com destino a São João do Piauí, e passou pelo Tamburil no momento da manifestação. Fábio disse que o carro o qual dirige é da empresa, mas ele sente dó de colocar o veículo para trafegar em uma pista em tal estado de conservação, segundo ele, o único trecho ruim de sua viagem.

Alisson Henrique vinha transportando minério de Corumbá, Mato Grosso do Sul, para Fortaleza, Ceará. Ele disse que a pista é ruim, e que trafegar por ela maltrata tanto o veículo quanto o motorista.

Oriundos de diversos lugares, os motoristas que passavam pelo local do protesto aplaudiam e parabenizavam a iniciativa dos manifestantes. Estes, ordeiramente, fizeram suas reivindicações discursando, levantando cartazes, soltando fogos e soprando apitos.

Vindo de Nova Olinda, Ceará, com destino a São João do Piauí, o motorista Carlinhos se queixa desse trecho de seu itinerário. “A rodovia mais ruim que eu vi foi essa. A gente estraga amortecedor e tudo no carro, e ainda arrisca a vida.”

Fábio Jean trabalha numa editora em Teresina. Ele saiu da capital piauiense, também com destino a São João do Piauí, e passou pelo Tamburil no momento da manifestação. Fábio disse que o carro o qual dirige é da empresa, mas ele sente dó de colocar o veículo para trafegar em uma pista em tal estado de conservação, segundo ele, o único trecho ruim de sua viagem.

Alisson Henrique vinha transportando minério de Corumbá, Mato Grosso do Sul, para Fortaleza, Ceará. Ele disse que a pista é ruim, e que trafegar por ela maltrata tanto o veículo quanto o motorista.

A manifestação se encerrou no Calçadão da Juventude, pontualmente às 10h00, conforme previa o acordo firmado na Justiça pelo prefeito e pelos organizadores do evento. Os que passavam pelo local paravam para ouvir os discursos dos manifestantes.

Estudante universitário em Picos, o jovem Nicael Lima também manifestou sua indignação. “Tentaram tirar a legitimidade do nosso protesto. (…) O povo unido é capaz de mudar essa história. O povo unido vai conseguir esse asfalto. (…) Quem está aqui é o pai de família, que precisa sustentar a sua família com o seu suor. Quem está aqui é o estudante, que precisa dessa estrada todo dia para se formar na universidade. Quem está aqui é o povo, que precisa de respeito, que precisa ser ouvido. Por isso, Wellington Dias, seja capaz, seja homem. Mande as máquinas para essa cidade.”

Portal O Dia 

 

Tags

Leia Também