ad16
AutoPECASonline24.pt
DestaquesSaúde

Hospitais ameaçam suspender atendimento do Plamta e Iapep

Dib Tajra, do Sindicato dos Hospitais: pagamento de seis meses a receber do Iapep/Saúde e do Plamta
Dib Tajra, do Sindicato dos Hospitais: pagamento de seis meses a receber do Iapep/Saúde e do Plamta

Mais de 192 mil pessoas usuárias do Plamta, o plano de assistência médica dos servidores estaduais, podem ficar sem atendimento, segundo os donos de hospitais e clínicas credenciadas. A suspensão nos atendimentos se deve ao atraso de seis meses no pagamento das clínicas e hospitais credenciados pelo Instituto de Assistência e Previdência do Estado do Piauí (Iapep).

Pelos dados do Iapep, o Plamta tem uma rede de 466 hospitais e clínicas credenciados no Estado. Destas, 79 realizam procedimentos de internação e fazem cirurgias. Em media, são feitas 3.400 internações por mês pelo plano do Iapep. O Iapep Saúde, que autoriza consultas e exames, tem 178 mil usuários entre segurados e dependentes. São 49 especialidades médicas e 514 prestadores credenciados.

A assessoria do Iapep informa que são feitos em média 65 mil exames e consultas por mês. São 21 mil radiografias e 42 mil exames laboratoriais por mês. Além de 26 mil consultas. Os hospitais particulares e filantrópicos de Teresina, que atendem a população através do Plamta/Iapep, estão em dificuldades para manter o atendimento aos conveniados em função da dívida, que vem se acumulando ao longo dos meses. O último pagamento do Plamta foi efetuado em agosto, segundo o presidente do Sindicato dos Hospitais e Clínicas (Sindhospi), Dib Tajra.

“Não é possível manter a regularidade no atendimento recebendo a cada 40 ou 60 dias, um pagamento referente a cinco ou seis meses atrás. Isso provoca um déficit na saúde financeira dos hospitais, que são obrigados a pagar dentro do mês os insumos e serviços que precisam dispor para atender aos pacientes”, justificou o presidente Dib Tajra. O presidente do Iapep, Flávio Nogueira, assegurou que não tem atraso.

Segundo ele, o pagamento foi feito até agosto, e o restante não foi pago porque o sistema financeiro do Estado fechou para o balanço anual. “Temos que ver a prestação de contas do que foi feito, averiguar, verificar e efetivar o pagamento. Isso demora pelo menos uns 60 dias, porque precisa de um mês da prestação de serviços, depois disso a prestação de contas, o empenho e tem que ter saldo para pagar. Então, quem foi credenciado em janeiro, presta serviços, apresenta a prestação de contas até 10 de fevereiro e deve receber até março. Essa é a regra”, explicou.

Diário do Povo

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade