ad16
CidadeDestaquesGeralSaúde

Tomógrafo do Justino Luz segue parado por falta de instalações adequadas

[ad#336×280]Após um processo licitatório de mais de cinco anos, o Hospital Regional Justino Luz finalmente recebeu um tomógrafo no início do mês de junho. Mas o aparelho que custou cerca  de R$ 1 milhão e era para ser um benefício a mais na saúde pública de Picos, vem sendo uma dor de cabeça para a administração da unidade de saúde e segue empacado nos corredores do hospital.

José Ayrton
José Ayrton – Foto: Evandro Alberto

O diretor geral José Ayrton Bezerra diz que está lutando pela instalação do equipamento, mas o tomógrafo exige uma sala própria adaptada. A instalação exige que a secretaria de Saúde do Estado (SESAPI) faça um investimento avaliado em aproximadamente 70 mil reais num espaço próprio para o equipamento.

“O primeiro round foi a vinda do tomógrafo. Agora, o segundo round é trazer as instalações e adequar o hospital para que se possa instalar esse equipamento”. Segundo José Ayrton, o processo de licitação já está em andamento. Enquanto isso, o equipamento está parado e segue ocupando espaço nos corredores do hospital.

Tomografo chega ao HRJL
Tomografo chega ao HRJL

O diretor pede ajuda à “força política de Picos”  para que o equipamento comece a ser utilizado o quanto antes e  a compreensão da sociedade que a beneficiária dos serviços que já aguarda há muito tempo para usufruir desse serviço,   já que “o processo licitatório foi longo o bastante”.

“A necessidade da instalação de um tomógrafo no Hospital Justino Luz salta aos olhos. Ele vem para proporcionar melhorias no atendimento e no apoio ao diagnóstico, principalmente nos casos de traumas do neuroeixo, cabeça e coluna”.

O diretor ainda afirma que com o equipamento há a possibilidade de que se façam exames sofisticados no próprio hospital. Para isso, basta apenas a instalação e capacitação de recursos humanos realizar o melhor proveito possível. “Esse equipamento atende  perfeitamente as necessidades do hospital nos próximos 10 ou 20 anos”, pontua.

Ainda segundo o médico diretor, o processo licitatório já foi iniciado. Mas, enquanto o instrumento segue ocupando espaço nos corredores, todos os exames tomográficos continuam sendo realizados em clínicas particulares, “cerca de 40 a 50 por mês”, informa José Ayrton.

Botão Voltar ao topo
Quer falar a Redação? Comece aqui

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Publicidade