ad16
DestaquesSaúdeTodas as Notícias

Semana 12 por 8: Cardiologista fala sobre riscos da hipertensão e como se prevenir

"A hipertensão é uma doença silenciosa que acomete grande parte da população. 33% da população, em média, são hipertensos", afirmou.

No último dia 26 de abril, segunda-feira, foi comemorado o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão. A semana que engloba o dia é conhecida como “Semana 12 por 8”, que é considerada como a pressão arterial adequada, em geral, ao ser humano.

A Unimed Regional de Picos realizou, na sua rede social no Instagram, uma campanha virtual para incentivar as pessoas ao cuidado e combate à hipertensão. O cardiologista Raimundo Reis, um dos médicos parceiros da referida cooperativa de planos de saúde, destacou a importância de cuidar da saúde, a fim de manter a pressão arterial equilibrada, evitando, assim, complicações cardiovasculares e renais, as quais podem levar até a morte.

A hipertensão é uma doença silenciosa que, segundo ele, atinge cerca de 33% da população brasileira, ou seja, a cada 100 pessoas, 33 possuem a comorbidade e, em alguns casos, a pessoa nem sabe que a possui.

“Essa semana é muito importante. A ‘Semana 12 por 8’ é uma iniciativa da Sociedade Brasileira de Cardiologia cuja grande meta é buscar nas pessoas a pressão 12 por 8. A hipertensão é uma doença silenciosa que acomete grande parte da população. 33% da população, em média, são hipertensos em algum momento da vida deles. A pressão alta é a maior causa de acometimentos cardiovasculares, tais como infarto, AVC e até problemas renais e circulatórios”, informou ele.

Dr. Raimundo Reis, cardiologista cooperado da Unimed Regional de Picos

O cardiologista Raimundo Reis explicou que, conforme a idade vai passando – que é um dos principais fatores de risco – as artérias que levam o sangue para todo o corpo vão se enrijecendo e isso faz com que o coração bombeie com mais pressão. Caso haja lesão em alguma dessas artérias – cérebro, coração, rins ou outra parte qualquer do corpo – pode ocasionar sérios problemas de saúde.

“Além de infarto e AVC, que são as sequelas mais comuns ocasionadas pela hipertensão, pode haver amputação de algum membro do corpo – dependendo de onde os vasos lesionados estarão – e há as doenças renais. Hoje, uma das principais causas que levam um paciente à hemodiálise é a hipertensão. Nossa região tem muita incidência de problemas de cálculos renais e isso pode levar à hipertensão, por isso é importante a ingestão hídrica no controle dos problemas renais e, obviamente, na prevenção da hipertensão”, falou.

O médico pontuou que, em sua maioria, os pacientes são pessoas que já são referenciadas de um clínico geral como portadoras de hipertensão, mas que, atualmente, a procura dos mais jovens por um cardiologista tem aumentado como forma de prevenção.

Segundo ele, isso se deve pela forma de estilo de vida que as pessoas vivem nos dias atuais, com muito estresse, correria, má alimentação e que geram preocupação, principalmente se houver o fator “hereditário” envolvido na situação. É preciso que, pelo menos uma vez ao ano, a partir dos 20 anos de idade, a pessoa verifique a situação de sua pressão arterial.

“A Sociedade Brasileira de Cardiologia enfatiza a questão do tratamento precoce da hipertensão. É interessante o mapeamento da pressão arterial o mais precoce possível, principalmente se o paciente tem um familiar com histórico de infarto, AVC ou problema renal. Essas pessoas precisam redobrar os cuidados. Geralmente já pegamos pacientes referenciados com problemas cardiovasculares, mas isso está mudando. Mais precocemente vemos pacientes que não têm doença vindo para o cardiologista de forma preventiva, para que a gente melhore a questão da alimentação, para preescrever um treino adequado ao paciente”, explicou.

Raimundo Reis enfatizou que os fatores ambientais, assim como idade e hereditariedade, são determinantes na obtenção da hipertensão. Ele frisou que o que se come, como se vive e se dorme também influenciam na pressão arterial.

“O excesso de sal faz o paciente apresentar, de forma precoce, a hipertensão. Os embutidos, o excesso de carne vermelha, noites mal dormidas, são fatores ligados à pressão arterial. O sobrepeso é outro fator. Pacientes mais obesos são pacientes mais sedentários, o que aumenta o risco de ter hipertensão e, obviamente, maior complicação cardiovascular. É importante também o acompanhamento nutricional quando estiver acima do peso”, explanou ele.

O médico cooperado da Unimed Regional de Picos relembrou o cigarro também incrementa o risco cardiovascular, e que o colesterol elevado e o índice de diabetes também estão associadas à hipertensão.

“Quando se somam a essas doenças, aumenta, progressivamente, o risco cardiovascular. Por isso é importante a alimentação regular no sentido de reduzir o consumo de sal, carne vermelha, gordura, evitar enlatados e refrigerantes, o excesso de massas e carboidratos, e comer muita verdura, fruta, alimentos mais saudáveis.

Ele frisou a importância de se manter atividades físicas regularmente, pelo menos 45 minutos ao dia, por cinco dias na semana para prevenção da hipertensão. “Isso faz com que o paciente saia do sedentarismo e controle de forma natural a pressão arterial e evite complicações com o envelhecimento”.

Ao menor sinal, é orientado que um médico seja procurado. A Unimed Regional de Picos facilita o intermédio entre pacientes e médicos. Ela está localizada na Praça Félix Pacheco, 676, no centro de Picos. Telefone para contato: (89) 3422-3616.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você está usando um bloqueador de anúncios.
Quer falar a Redação? Comece aqui
Publicidade